Zonas de contenção do alojamento local em Lisboa baixaram preços das casas. T2 ficaram 20% mais baratos

  • ECO
  • 5 Agosto 2020

A criação de zonas de contenção do alojamento local na capital portuguesa fez os preços dos imóveis caírem 8%, aumentando para 20% no caso dos imóveis T2, concluiu o Ministério da Economia.

A criação de zonas de contenção de alojamento local em Lisboa causou polémica no setor, mas terá cumprido o propósito esperado pela autarquia. Segundo um estudo do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia, citado pelo Dinheiro Vivo, a medida fez baixar em 8% o preço dos imóveis que eram destinados ao alojamento local na capital, tendo a subida sido ainda maior, em 20%, no caso dos imóveis com tipologia T2.

Desde que estas zonas de contenção foram criadas no final de 2018, as vendas de casas na Baixa de Lisboa caíram de forma acentuada (cerca de 20%), o que compreende as zonas da Madragoa, Bairro Alto, Bica, Príncipe Real, Santa Catarina, São Paulo, Boavista, Conde Barão, Alfama, Mouraria e Sé. O estudo conclui, assim, que ter licença para funcionar como alojamento local é um fator importante no mercado na hora de procurar casas nestas zonas.

Em termos de preços, o impacto direto foi uma quebra de 8% no preços dos imóveis, sendo ainda maior no caso dos imóveis T2. O estudo concluiu que as casas com esta tipologia, que são mais suscetíveis de serem destinadas ao arrendamento de curta duração, foram aquelas em que os preços mais recuaram: ficaram 20% mais baratas depois da aprovação da medida que criou as zonas de contenção.

Desde a aprovação da lei até à entrada em vigor das restrições, os registos de alojamento local no centro histórico de Lisboa aumentaram 31%, afirma o mesmo estudo, que acredita que isso possa ser explicado pelo facto de os proprietários terem avançado com uma corrida aos registos antes de as limitações entrarem em vigor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zonas de contenção do alojamento local em Lisboa baixaram preços das casas. T2 ficaram 20% mais baratos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião