O banco “bom” do Novo Banco está bom?

Olhando apenas para o lado “bom” do Novo Banco há sinais positivos mas também alguns preocupantes na análise das contas da primeira metade do ano em comparação com os pares.

O Novo Banco continua a dar prejuízos. Seis anos depois da sua criação, após a resolução do BES no verão de 2014, a instituição liderada por António Ramalho mantém-se com as contas no “vermelho”, penalizada pelos ativos tóxicos que ficaram no balanço. Retirando o legacy e olhando apenas para o banco recorrente, os números da instituição financeira liderada por António Ramalho já são bem diferentes. Mas estará o “banco bom” assim tão bom?

Olhando apenas para o lado “bom” do Novo Banco, que a instituição passou a revelar de forma separada desde o primeiro trimestre de 2019, há sinais positivos mas também alguns negativos nas contas da primeira metade do ano. O banco recorrente terminou o semestre com lucros de 34 milhões de euros, um resultado positivo mas que representa uma quebra de 70% face ao obtido no período homólogo, tendo sido fortemente penalizado pela assunção de imparidades e provisões devido à crise.

Novo Banco “bom” com derrapagem de 70% nos lucros

Nota: * Novo Banco recorrente

A descida nos resultados do Novo Banco “bom”, apesar de mais aprofundada, acompanha no entanto a tendência do setor. A que foi registada em concreto pelos principais bancos nacionais que também foram afetados pela necessidade de colocarem dinheiro de parte para fazerem face à esperada subida do incumprimento devido às consequências da pandemia.

O BPI foi o que, a seguir ao Novo Banco, registou a maior quebra de lucros (68,3%, para 42,6 milhões de euros), seguido pelo BCP (55,2%, para 76 milhões). As menores quebras foram registadas pelo Santander (37,3%, para os 172,9 milhões) e pela Caixa Geral de Depósitos (40,5%, para 248,6 milhões) que obteve o melhor resultado do semestre entre os maiores bancos.

Provisões e imparidades mais contidas no banco “bom”

Voltando ao Novo Banco, e olhando para a instituição como um todo, foram colocados de parte 138 milhões de euros para fazer face a eventuais perdas com incumprimento no crédito. Trata-se do segundo montante mais elevado entre os cinco maiores bancos nacionais, apenas atrás da CGD que registou em balanço um total de 156 milhões de euros com esse fim.

Imparidades e provisões na primeira metade do ano

Nota: * Novo Banco recorrente

Mas se formos restringir a análise apenas ao banco “bom”, o valor registado é bastante menor. Aí foram reservados 98 milhões de euros, com o Novo Banco a ficar apenas acima do BPI que guardou 83 milhões para fazer face à crise e abaixo da CGD, BCP e Santander. Os restantes 40 milhões em imparidades e provisões foram registadas no Novo Banco “mau”, ou seja, o legacy.

Novo Banco “bom” lidera crescimento na margem

Já em termos operacionais, e olhando para a margem financeira, — que resulta dos juros recebidos nos empréstimos menos os juros pagos nos depósitos — o banco “bom” destaca-se pela positiva face aos pares em termos da evolução conseguida face há um ano.

Dos cinco maiores bancos nacionais, apenas três apresentaram uma evolução positiva neste indicador, sendo que o Novo Banco “bom” revelou o maior crescimento. A sua margem financeira subiu 6,44%, para 251,2 milhões de euros, acima do aumento de 2,42% e 2,57% registado pelo BPI e pelo BCP. Pelo contrário, o Santander e a CGD registaram uma degradação deste indicador na ordem dos 6,86% e 6,44%, respetivamente.

Margem financeira do Novo Banco “bom” cresce mais de 6%

Nota: * Novo Banco recorrente

Nas contas apresentadas a 31 de julho, o Novo Banco justificava a subida da sua margem financeira com “o aumento nos volumes médios [crédito], mantendo o foco na disciplina de preços”. Ou seja, a disciplina entre os valores dos juros cobrados e dos pagos.

A melhoria da margem financeira do Novo Banco recorrente ocorreu ainda num semestre em que a instituição teve um maior crescimento do stock de crédito comparativamente à evolução registada pelos pares. A subida foi de 5,51%, para um total de 23,7 mil milhões de euros. Essa evolução compara, por exemplo, com uma redução de 2,3% no stock de crédito do maior banco nacional: a CGD.

Novo Banco recorrente com maior crescimento no crédito

Nota: * Novo Banco recorrente, ** Crédito bruto

Já os depósitos do Novo Banco foram reforçados em 3,5%, mais 972 milhões de euros, para perto de 28,8 mil milhões de euros. O grosso dos concorrentes registou subidas mais acentuadas que chegam ao limite de quase 11% no caso do banco público. Tendo em conta que o atual contexto em que os juros estão historicamente baixos, mesmo negativos, a captação de depósitos não é necessariamente uma prioridade para os bancos. Em vez disso, têm focado a sua atenção na retenção de clientes e na cobrança de comissões.

No documento das suas contas da primeira metade do ano, a instituição financeira diz mesmo que “continuou com a sua política de redução do preçário dos depósitos”.

Depósitos no Novo Banco “bom” crescem menos

Nota: * Novo banco recorrente

O Novo Banco “bom” fica menos bem precisamente no que se refere às comissões. Nos primeiros seis meses do ano, as comissões do Novo Banco recorrente baixaram 9,4% (menos 16,1 milhões de euros) por causa do confinamento, para 136,6 milhões de euros. “Neste período as comissões registaram uma diminuição generalizada a nível de produtos, condicionadas por um menor nível de transações e pelo atual contexto da atividade bancária em Portugal, negativamente afetada pela pandemia Covid-19″, explicava a instituição liderada por António Ramalho no documento que sintetiza os resultados da primeira metade do ano.

Contudo, a maioria dos pares também viu as suas contas penalizadas pelo confinamento. O BCP foi exceção nessa tendência, tendo beneficiado de um aumento de 0,9%, com as comissões captadas a ascenderem a 345,2 milhões de euros. Já a Caixa e o Santander registaram quebras de 3% e 5% nas comissões angariadas na primeira metade, respetivamente, para 297 milhões de euros e 183,1 milhões de euros. No Novo Banco “bom” o nível de captação de receitas via comissões ainda está bastante aquém desses valores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O banco “bom” do Novo Banco está bom?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião