Vacina da Rússia traz Wall Street de volta aos ganhos

Os estímulos à economia norte-americana deixaram uma onda de otimismo em Wall Steet, deixando o índice de referência perto de máximos de fevereiro.

Depois de Donald Trump ter prolongado os estímulos à economia dos Estados Unidos, uma onda de otimismo inundou os mercados. Os investidores estão confiantes numa recuperação económica e isso foi o suficiente para deixar o S&P 500 perto de máximos registados em fevereiro. A animar ainda mais os investidores está a notícia de que a Rússia terá descoberto uma vacina eficaz para o coronavírus.

O índice de referência está a subir 0,44% para 3.375,40 pontos, naquela que é a cotação mais perto do máximo registado em fevereiro. Pelo mesmo caminho segue o industrial Dow Jones ao valorizar 1,19% para 28.123,18 pontos.

Esta recuperação de Wall Street acontece depois de o Presidente dos Estados Unidos ter aprovado um prolongamento dos estímulos à economia, de forma a ajudar na recuperação. Isso foi o suficiente para aumentar entre os investidores a esperança de uma recuperação económica.

Além disso, a notícia de que a Rússia terá desenvolvido uma vacina com 90% de eficácia contra o coronavírus contribuiu para aumentar ainda mais esse otimismo. “Os mercados estão ansiosos por dias melhores”, diz Jeff Buchbinder, estrategista de ações da LPL Financial, citado pela CNBC (conteúdo em inglês). “Embora o momento seja incerto, os mercados de ações estão a demonstrar confiança de que a pandemia acabará eventualmente com uma vacina e com a ajuda de melhores tratamentos”.

Contudo, a manter a tendência da última sessão, o tecnológico Nasdaq continua a desvalorizar: está a cair 0,48% para 10.915,90 pontos, à medida que os investidores reduzem as participações nas big tech.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vacina da Rússia traz Wall Street de volta aos ganhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião