PAIIR é a nova associação na área da imigração de investimento. Abreu Advogados é sócia honorária

PAIIR é a nova associação na área da imigração de investimento. Sara Sousa Rebolo e Vanessa Rodrigues Lima são as fundadoras do projeto, que conta com o apoio da Abreu Advogados.

A PAIIR – Portuguese Association of Immigration, Investment and Relocation é a mais recente associação portuguesa, criada por Sara Sousa Rebolo, sócia da Caiado Guerreiro, e Vanessa Rodrigues Lima, associada da Abreu Advogados. Fundado em plena pandemia, o projeto conta com a assistência jurídica em regime pro bono da Abreu Advogados, que é sócia honorária da associação juntamente com o Bison Bank.

As advogadas na área da imigração e investimento estrangeiro começaram o projeto no início do ano, com o objetivo de “valorizar e promover as áreas da imigração, investimento, integração e mobilidade em Portugal”.

“Tendo entrado recentemente na rota dos destinos da imigração de investimento, indústria com grande expressão em países como o Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, Portugal é hoje um dos vários países europeus que dispõe de programas de imigração consolidados e bastante atrativos, que têm como base atividades de investimento em território nacional”, refere a associação em comunicado.

Para a PAIIR, o posicionamento de Portugal nesta área vai ser “essencial para ultrapassar a crise global que se aproxima“. “Os milhares de postos de trabalho diretos e indiretos que a indústria da imigração de investimento gera, bem como o seu contributo para o desenvolvimento de vários setores económicos e para a internacionalização do tecido empresarial é algo que Portugal não deve minimizar”, nota.

A PAIIR pretende iniciar uma ação de apresentação de sugestões e propostas de melhoria do atual enquadramento, “pois nem toda a imigração de investimento são Vistos Gold por compra de imobiliário, e essa é uma realidade que a PAIIR quer desmistificar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PAIIR é a nova associação na área da imigração de investimento. Abreu Advogados é sócia honorária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião