Quem é o rei ou rainha do YouTube? E as estrelas do Insta e do TikTok?

Entre gostos, partilhas, eventos, presenças e patrocínios, as redes socais estão a criar cada vez mais celebridades. Quem são as "estrelas" do YouTube? E do Instagram ? E do TikTok?

As redes sociais estão a criar cada vez mais celebridades. E o que muitos ainda veem como um hobbie é cada vez mais um negócio milionário, capaz de fazer as delícias dos internautas. Quem é, por isso, o “rei” ou a “rainha” do YouTube? E do Instagram? E do TikTok?

Nomes como PewDiePie, Shane Dawson e Smosh acumularam milhões de subscritores ao longo de muitos anos, através da transmissão e publicação de vídeos no YouTube, estabelecendo relações de grande proximidade com os fãs. De comediantes a vloggers de todos os tipos, os youtubers exploram a plataforma para criarem bases de seguidores e até para lançarem as suas próprias marcas.

Felix Kjellberg, mais conhecido por PewDiePie, é considerado o youtuber mais influente de 2020, de acordo com a Bussiness Insider. Com 105 milhões de seguidores e natural da Suécia, PewDiePie lançou o seu canal em 2010, onde, desde então, se dedica a partilhar opiniões e conteúdos gravados durante o quotidiano, muitos deles enquanto joga videojogos. Em 2013, PewDiePie atingiu um recorde de subscrições, sendo que, seis mais tarde, em 2019, tornou-se o primeiro youtuber a ultrapassar a barreira dos 100 milhões de subscritores na plataforma da Google.

Mas as crianças também têm cada vez mais sucesso no YouTube. Em segundo lugar no top está o “Kids Diana Show”, comandado por Diana e pelo irmão, onde desembrulham brinquedos e partilham outras aventuras em conjunto. A criança de seis anos já é considerada uma das youtubers mais promissoras do momento, contando já com 58,1 milhões de seguidores.

Segue-se Anastasia Radzinskaya, também conhecida como Nastya, ou Stacy. Tem cinco anos e foi diagnosticada com paralisia cerebral no parto e os médicos achavam que nunca seria capaz de falar. Os pais decidiram filmar o seu progresso nos tratamentos e em atividades comuns que partilha com a família, até que os vídeos começaram a tornar-se virais. Agora tem seis contas no Youtube e só o canal mais popular – “Like Nastya Vlog” conta com 57,6 milhões de seguidores.

Em Portugal, os fãs de redes sociais também não escapam a este hobbie. Paulo Borges, mais conhecido por Wuant, voltou a ser nomeado o youtuber mais influente do país, com um nível de influência de 30,5 pontos, segundo o ranking da Forbes.

E quem são as estrelas do Instagram e do TikTok?

Embora bem mais recentes do que o YouTube, o Instagram e o TikTok têm ganhado vários fãs ao longo dos anos.

O “rei” da rede social Instagram é português. Fora dos relvados, Cristiano Ronaldo aproveita o tempo para partilhar algumas fotografias com os seus 233 milhões de seguidores.

Com a “medalha” de prata relativamente ao engagement está a cantora Ariana Grande, com 196 milhões de seguidores, seguida por Dwayne Johnson, mais conhecido por The Rock, com 191 milhões de seguidores.

Em Portugal, depois de Cristiano Ronaldo, constam nomes bem conhecidos do público português, como a modelo Sara Sampaio (7,5 milhões) e Cristina Ferreira (1,4 milhões), segundo o ranking da Brinfer, tendo por base dados recolhidos entre 14 de janeiro e 12 de fevereiro.

Mas a nova moda é mesmo o TikTok, uma aplicação de vídeos que faz sucesso especialmente entre os jovens. De acordo com o Business Insider, Charli D’Amelio é a “estrela” desta rede social, tendo destronado as gémeas Lisa e Lena, que apagaram as contas em março do ano passado.

A jovem de 15 anos subiu ao pódio em pouco meses através da publicação de coreografias e musicas virais, contando já com 72,5 milhões de seguidores. O sucesso levou-a a uma participação comercial no Super Bowl e à assinatura de um contrato com uma agência de talentos de primeira linha.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem é o rei ou rainha do YouTube? E as estrelas do Insta e do TikTok?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião