Instagram Reels paga milhares a “criadores” para saírem do TikTok

O Facebook planeia lançar em agosto uma nova plataforma para concorrer com o TikTok. Chama-se Instagram Reels e a empresa está a propor acordos de milhares de dólares para atrair "criadores".

O Facebook está a desenvolver uma nova plataforma integrada no Instagram para concorrer diretamente com a popular aplicação de vídeos TikTok. A novidade já tem nome: chama-se Instagram Reels, e o lançamento oficial deverá acontecer já em agosto.

A informação está a ser avançada pelo The Wall Street Journal (acesso pago), mas o jornal vai mais além. Garante que a rede social está a propor acordos lucrativos a alguns dos utilizadores mais populares do TikTok no sentido de os convencer a mudarem para a app concorrente.

Em causa estão propostas que, para os “criadores” mais populares e com milhões de seguidores, chegam a alcançar, alegadamente, as centenas de milhares de dólares. Ao jornal, fonte oficial do Instagram confirmou que a empresa “contactou um grupo diverso de criadores acerca do Reels em vários países onde [a plataforma] está a ser testada”. “Estamos comprometidos a investir no nossos criadores e nas respetivas experiências”, acrescentou.

Não se sabe quantos “criadores” de conteúdo do TikTok aceitaram as ofertas do Facebook, mas esta informação mostra o quão a sério é levada a ameaça do TikTok no interior do grupo fundado por Mark Zuckerberg. Em poucos meses, a app controlada pela empresa chinesa ByteDance conquistou centenas de milhões de fãs nos EUA e na Europa e, segundo dados recentes, os utilizadores já passam em média mais tempo por dia no TikTok do que no Instagram.

A estratégia adotada pelo Facebook para concorrer com o TikTok faz recordar a história do surgimento dos Instagram Stories, um produto lançado pela empresa em agosto de 2016 para concorrer diretamente com a plataforma Snapchat. Desde então, o grupo tem sido várias vezes acusado de atitudes lesivas da concorrência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Instagram Reels paga milhares a “criadores” para saírem do TikTok

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião