EUA ameaçam colocar TikTok na mesma lista da Huawei

A administração está a ponderar colocar a ByteDance, a empresa que detém o TikTok, numa lista do departamento do comércio que torna difícil a disponibilização da app no mercado norte-americano.

O cerco está a apertar-se para a TikTok. Depois de o alerta dado pelo secretário de Estado norte-americano, a Casa Branca está a considerar colocar a aplicação chinesa de vídeos curtos numa lista negra que visa impedir os norte-americanos de a usarem e, assim, impedir que a China obtenha os dados privados através da app, o que se suspeita nos EUA que possa estar a acontecer.

A ideia que está em cima da mesa e a ser debatida pela administração Trump é colocar a ByteDance, a empresa que detém o TikTok, numa lista do departamento do comércio que torna difícil a sua disponibilização no mercado norte-americano, de acordo com fontes próximas pelo processo consultadas pelo Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

É nessa lista que está a Huawei, a gigante chinesa das telecomunicações (e do 5G), por suspeitas de que fazia espionagem em nome do Partido Comunista Chinês. A criação da lista em causa aconteceu ao abrigo de uma lei criada na década de 90 e não implica a aplicação de coimas, mas pode motivar o bloqueio das propriedades das empresas indicadas.

Assim, a confirmar-se esta medida colocaria fortes entraves ao fornecimento de tecnologia de empresas norte-americanas à TikTok. Além disso, as restrições aplicar-se-iam também ao software, pelo que a Apple, bem como outras entidades não conseguiriam forneceres atualizações da rede social aos utilizadores. De acordo com uma fonte ligada ao processo, a administração norte-americana vai decidir dentro de um mês se avança ou não com a medida.

Esta mudança ocorre numa altura em que a administração de Trump ameaça bloquear o TikTok nos EUA por causa dos receios em relação aos dados privados e à interferência do Partido Comunista Chinês. Aquando desta tomada de posição, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, alertou os cidadãos norte-americanos a serem cautelosos no uso do TikTok, caso não queiram que as suas informações privadas caiam “nas mãos do Partido Comunista Chinês”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA ameaçam colocar TikTok na mesma lista da Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião