Quanto cobra uma imobiliária para vender uma casa? E para arrendar?

Contratar uma imobiliária para vender uma casa tem associada uma comissão variável, assim como para pôr a arrendar. Mas há imobiliárias que cobram comissões fixas e apenas se o imóvel for vendido.

Para quem pretende vender ou arrendar um imóvel e não tem ou não quer perder tempo a encontrar interessados, contratar uma imobiliária é, normalmente, o processo mais simples e rápido. Contudo, este serviço traz sempre uma comissão associada, que varia de imobiliária para imobiliária e conforme o valor da venda ou arrendamento. Mas também há quem pratique comissões fixas. O ECO foi saber junto do setor como variam estas taxas e dá-lhe a resposta em mais um “Sabia que…”.

“O valor da comissão a cobrar pelas imobiliárias não está regularmente estabelecido”, começa por dizer o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). “No entanto, dependendo do valor do imóvel e das características do negócio, regra geral esta comissão varia entre os 3% e os 5%, sendo que na larga maioria dos casos se fixa efetivamente nos 5%“, acrescenta Luís Lima.

O ECO contactou algumas imobiliárias para saber valores concretos. Na Century 21, por exemplo, é cobrada uma comissão de 5% do valor do imóvel no caso de uma venda. “No caso de haver mais do que um consultor envolvido, as comissões são divididas de forma paritária”, detalha o CEO, Ricardo Sousa. Se se tratar de um arrendamento, a C21 cobra “uma renda e meia a duas rendas, em função do valor mensal do arrendamento da habitação”.

A ERA, por sua vez, tem uma percentagem fixa: 5% + IVA, adianta o diretor-geral da ERA Portugal. “Relativamente ao arrendamento de imóveis, as comissões representam o valor de duas rendas + IVA”, acrescenta Rui Torgal. O ECO contactou também a Remax, Keller Williams e Sotheby’s International Realty, mas estas imobiliárias não quiseram adiantar valores.

Ainda assim, há imobiliárias que cobram uma comissão fixa, como é o caso da Kazzify, uma startup de venda de imóveis criada no ano passado. Esta imobiliária online cobra uma comissão fixa de 1.999 euros, incluindo IVA, e apenas caso o imóvel seja vendido. A plataforma, fundada por portugueses, permite aos vendedores terem acesso ao perfil do potencial comprador, agendar visitas e ter o imóvel publicado em vários sites e portais.

Outra alternativa semelhante é a Housefy, fundada em 2017, e com mais de 2.000 imóveis vendidos na Europa desde essa altura. A empresa cobra uma taxa fixa de 2.400 euros com IVA incluído (para imóveis à venda até 150.000 euros) ou 4.490 euros com IVA incluído (para imóveis à venda a partir de 150 mil euros) e apenas se o imóvel for vendido. Este segundo montante inclui fotos profissionais do imóvel, anúncios nos melhores portais, visitas ao imóveis, seleção dos compradores e todos os processos burocráticos.

Importa salientar que, para além desta comissão, as imobiliárias cobram uma taxa de serviço quando colocam um imóvel para arrendar ou vender. Essa taxa vai cobrir os custos da divulgação, visitas ao imóvel, etc. Esta taxa é cobrada independentemente de o imóvel ser arrendado/vendido ou não.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto cobra uma imobiliária para vender uma casa? E para arrendar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião