Há mais voos, mas ocupação dos aviões não vai além de metade

  • ECO
  • 20 Agosto 2020

O número de passageiros a circular nos aeroportos nacionais disparou 300%, mas a taxa de ocupação dos aviões ainda não ultrapassou os 55%.

Os aeroportos nacionais registaram, em julho, uma subida de 300% do número de passageiros, face ao mês anterior, mas a taxa de ocupação dos aviões não foi além dos 55%. Os dados são do regulador da aviação civil e indicam que, em julho de 2019, o load factor estava 31 pontos percentuais acima do registado agora, isto é, a taxa de ocupação estava nos 86%, avança o Jornal de Negócios, esta quinta-feira.

Nos primeiros sete meses do ano, passaram pelos aeroportos portugueses 10,7 milhões de passageiros, ou seja, cerca de um terço do total registado no período homólogo. Pelo aeroporto Humberto Delgado em particular, passaram 533 mil pessoas, mais 236% do que em junho, mas menos 82,8% do que em julho de 2019. O aeroporto lisboeta e o do Funchal registaram as maiores quebras, em termos homólogos.

No que diz respeito à distribuição por transportadoras aéreas, foi a Ryanair a que mais vezes foi escolhida pelos passageiros que passaram por Portugal, num total de 228,5 mil. Quanto aos voos, Lisboa chegou a metade do que tinha registado no ano passado. Em julho, o aeroporto Humberto Delgado contou com uma média de 310 partidas e chegadas diárias, ou seja, 53% do tráfego em 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais voos, mas ocupação dos aviões não vai além de metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião