Investimento em certificados aumenta 120 milhões em julho

Os portugueses reforçaram novamente as suas poupanças junto do Estado, mais do que compensando as saídas. O reforço é de 120 milhões de euros já há dois meses.

Após terem reforçado de forma tímida as suas poupanças junto do Estado em março, abril e maio, os portugueses reforçaram mais as aplicações em certificados em junho e julho. No mês passado, o investimento líquido (entradas menos saídas) foi de 120 milhões de euros, em linha com os 129 milhões de euros em junho, de acordo com os dados do Banco de Portugal divulgados esta quinta-feira.

Fonte: Banco de Portugal.

Tanto os Certificados de Aforro como os Certificados do Tesouro registaram aumentos em julho. As aplicações nos Certificados do Tesouro — que, como se prevê, correm o risco de deixar de pagar o prémio ligado à economia devido à crise — aumentaram em 94 milhões de euros, enquanto o valor investido nos certificados de Aforro subiu 26 milhões.

No total, o “stock” de investimento nos certificados disponibilizados pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) aos portugueses ascendia a 29,3 mil milhões de euros no final do mês de julho, um novo máximo para a poupança dos particulares que está junto do Estado.

Desses 29,3 mil milhões de euros, 17.140 milhões de euros estavam aplicados em Certificados do Tesouro, recuperando já das saídas de 690 milhões registadas em janeiro deste ano, que estiveram relacionadas principalmente com o vencimento dos últimos Certificados do Tesouro Poupança Mais que ofereciam juros até 5% e que foram emitidos em 2015. Os restantes 12.147 milhões de euros estavam em certificados de Aforro, instrumento de poupança de curto prazo.

No Orçamento do Estado para 2020, o Governo disse que esperava um reforço de apenas 149 milhões de euros este ano no financiamento junto do retalho. “Considera-se um contributo limitado dos instrumentos de aforro (149 milhões de euros), tendo em conta o incremento das amortizações dos CT e CTPM (com maturidade em 2020) e tendo-se admitido um perfil de reinvestimento prudente”, lia-se na proposta do OE 2020.

Entretanto, no Orçamento Suplementar, o Executivo manteve os mesmos números: “Mantém-se a expectativa de um contributo limitado dos instrumentos de aforro (149 milhões de euros), tendo em conta o incremento das amortizações dos CT e CTPM (com maturidade em 2020) e o pressuposto de um perfil de reinvestimento prudente“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento em certificados aumenta 120 milhões em julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião