76% dos portugueses compra material escolar nas grandes superfícies

Grande parte dos encarregados de educação vai optar pelas grandes superfícies comerciais para comprar o material escolar para o próximo ano letivo. Vão atrás das promoções.

Neste regresso às aulas marcado por uma pandemia são os híper e supermercados (76%) o local escolhido pela grande maioria dos portugueses (76%) para comprar o material escolar para o próximo ano letivo. No entanto, este ano verificou-se uma redução de 11% nas intenções de compra nestes estabelecimentos em relação ao ano passado, de acordo com dados do Observador Cetelem.

No segundo lugar do top de preferências encontram-se as livrarias e lojas especializadas (53%) que registam um aumento de 7 pontos percentuais face ao ano passado. Já as papelarias tradicionais são o local eleito por 36% dos portugueses (menos 18 pontos face a 2019).

“Os motivos que levam as famílias portuguesas a escolher as grandes superfícies comerciais parecem ser as ofertas e promoções (64%), mas também a conveniência (46%) porque é nestes locais onde os encarregados de educação fazem muitas das suas compras habituais. Para os inquiridos, as lojas especializadas e as tradicionais papelarias, apesar de não reunirem os mesmos níveis de preferência, têm outras vantagens: mais opções de escolha (41% para as lojas especializadas e 31% para as papelarias) e são especialistas nestes materiais (59% para as lojas especializadas e 58% para as papelarias)”, explica a marca do Banco BNP Paribas Personal Finance.E

É na Grande Lisboa e na região Sul que os inquiridos optam pelas grandes superfícies comerciais (93%), enquanto na região Centro são as lojas especializadas (57%) o local preferido para as compras do material escolar. Já no Sul, são as as papelarias (50%) que lideram as preferências.

Em ano de pandemia, gastos no regresso às aulas vão ser menores

Face a este cenário de crise o inquérito mostra ainda que os gastos dos encarregados de educação para este ano vai ser menores em todas as restantes categorias. Para este ano a categoria com maior intenção de compra neste regresso às aulas é o material escolar essencial, como mochilas, cadernos e canetas (96%). Em segundo lugar, e com uma descida de 19 pontos percentuais, em relação ao ano passado, está o equipamento para a realização de educação física (70%). Também o material de apoio (59%) regista uma ligeira quebra nas intenções de compra (menos 5 pontos). Os artigos de vestuário calçado são, contudo aqueles que os portugueses consideram menos essenciais para este regresso à escola, com 48% das preferências (menos 40 pontos percentuais face a 2019).

Este inquérito teve por base uma amostra representativa de 503 indivíduos residentes em Portugal Continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos de idade e com estudantes a seu cargo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

76% dos portugueses compra material escolar nas grandes superfícies

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião