Covid custou 4,9 mil milhões a resseguradoras europeias no 1º semestre

  • ECO Seguros
  • 1 Setembro 2020

As perdas resultantes de sinistros e reservas constituídas no 2º trimestre por conta da pandemia mais do que triplicam o total reportado até março pelo conjunto Swiss Re, Munich Re, Hannover Re e Scor

As quatro maiores resseguradoras da Europa acumularam, em conjunto, mais 3,46 mil milhões de euros de custos com sinistros e reservas relacionadas com a pandemia no segundo trimestre, elevando a fatura da primeira metade do ano aos 4,9 mil milhões, segundo números da S&P Global Market Intelligence.

A maior parte dos cerca de 1,45 mil milhões de euros de perdas e reservas por conta do novo coronavírus que a Munich Re, Swiss Re, Hannover Re haviam reportado no primeiro trimestre foi gerada por cancelamento de eventos. A Scor, que tem pouca exposição ao cancelamento de eventos, não registou qualquer reclamação de coronavírus no primeiro trimestre.

No segundo trimestre, as resseguradoras, incluindo a Scor, já inscreveram nas contas provisões para outras linhas de negócio. O cancelamento de eventos continuou a ser a maior fonte de reclamações esperadas pela Munich Re (que registou 700 milhões de impacto Covid-19 até junho).

Na Swiss Re, a maior parte dos 2,54 mil milhões de dólares reportados no primeiro semestre relacionaram-se com a interrupção de negócios, que totalizou 973 milhões de dólares nas suas unidades de resseguro de propriedade e acidentes e de soluções empresariais (Swiss Re Corporate Solutions).

A Hannover Re revelou que 40% dos seus 600 milhões de euros provisionados para resseguro não Vida (no termo do 1º semestre) foram para interrupção de negócios relacionada com a Covid-19, sendo ainda 25% para crédito e caução, 20% para cancelamento de eventos e 15% para outros ramos.

Para a francesa Scor, a fatura de resseguro não Vida associada à Covid-19 atingiu 248 milhões de euros relaciona-se principalmente com eventos de crédito e caução, risco político e interrupção de negócios. Incluindo resseguro Vida e perdas com investimentos, a Scor reportou 456 milhões de impacto negativo relacionado com a pandemia no primeiro semestre.

Não tendo registado qualquer sinistro de resseguro do ramo Vida no primeiro trimestre, as quatro companhias somaram sinistros Vida registados e reservas no valor de 850 milhões de euros no segundo trimestre.

A maioria dos sinistros do coronavírus registados até à data inclui reservas para perdas incorridas mas não reportadas (IBNR). O relatório de resultados da Swiss Re mostrou também que 72% dos 2,54 mil milhões de dólares que companhia assume antecipadamente como perdas estimadas para o exercício fiscal refere-se a IBNR.

Acrescendo aos números, analistas adiantam que a trajetória da curva pandémica será um fator crítico e acreditam que, no meio da incerteza contínua sobre a interrupção de negócios, risco de crédito e garantias e, em particular, sinistros no ramo vida os custos com o impacto da Covid-19 irão, certamente, aumentar.

Por outro lado, considerando o lapso de tempo até que as resseguradoras sejam notificadas sobre mortes e respetiva causa, é expectável que as resseguradoras recebam mais participações de sinistros relacionados com o coronavírus do que antecipavam no final do primeiro semestre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid custou 4,9 mil milhões a resseguradoras europeias no 1º semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião