Parlamento alemão vai abrir inquérito ao colapso da Wirecard

Após o desaparecimento de quase dois mil milhões de euros das contas da Wirecard, o parlamento alemão vai abrir um inquérito completo ao colapso da empresa de pagamentos.

O parlamento alemão prepara-se para abrir um inquérito completo ao colapso da Wirecard, depois de ter sido descoberto um buraco nas contas da fintech germânica de quase dois mil milhões de euros, avança o Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Este inquérito parlamentar será fundamental para “esclarecer um escândalo contabilístico que não tem precedentes na história do pós-guerra da Alemanha“, disse a porta-voz de finanças do Green Party, Lisa Paus, citada pelo jornal. “Devemos isso aos investidores e cidadãos deste país”, reiterou.

A decisão foi conhecida depois de os deputados alemães terem considerado que as audiências especiais realizadas perante o comité de finanças do Bundestag não foram conclusivas quanto ao papel das autoridades financeiras no colapso da Wirecard. “A imagem que nos foi apresentada nos últimos dois meses é a de um governo que atira a culpa para as outras pessoas”, afirma Florian Toncar, deputado do Partido Democrático Liberal.

No centro da polémica está o desaparecimento de 1,9 mil milhões de euros das contas da empresa de pagamentos encontrado através de uma auditoria da EY. O montante representava cerca de um quarto do balanço da Wirecard e a informação disponível indicava que os fundos estariam no sistema financeiro das Filipinas, para facilitar a concretização de operações com outras empresas.

No seguimento deste caso, a Wirecard pediu insolvência e mais de 700 trabalhadores foram despedidos. Além disso, o escândalo já levou à detenção antigo CEO da Wirecard, Markus Braun, bem como, à saída da fintech germânica do índice de referência DAX

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Parlamento alemão vai abrir inquérito ao colapso da Wirecard

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião