Finangeste tem 500 milhões para investir em imobiliário em Portugal

A empresa criada pelo Governo tem em carteira outros projetos em várias cidades do país, num investimento total de cerca de 500 milhões de euros.

A Finangeste, empresa criada pelo Governo, continua a somar investimentos imobiliários em território nacional. Acaba de concluir um empreendimento em Caldas da Rainha e tem disponíveis cerca de 500 milhões de euros para outros projetos. Em carteira estão futuros empreendimentos em Lisboa, Oeiras e Faro, mas para trás estão já muitas aquisições em várias cidades do país.

O projeto mais recente chama-se Caldas Terrace e resulta de um investimento de 10,5 milhões de euros. A Finangeste recuperou cinco edifícios inacabados em Caldas da Rainha e criou 73 apartamentos e ainda jardins, piscina, lojas e serviços. Mas os investimentos não ficam por aqui. Na carteira está ainda um outro projeto de cinco milhões de euros em Vila Franca de Xira, iniciado há cerca de um ano.

Recentemente, e já no segmento de escritórios, a empresa especializada na recuperação de créditos e gestão de ativos imobiliários adquiriu, em parceria com um investidor britânico, o Trindade Domus no Porto por mais de 40 milhões de euros.

Daqui para a frente a Finangeste assegura que os investimentos vão continuar. A empresa está atualmente a recuperar dois edifícios no centro histórico de Lisboa e prestes a concluir um loteamento em Oeiras, num investimento superior a 175 milhões de euros. Destaque ainda para um outro projeto em Faro, o Plano de Urbanização do Vale da Amoreira, com 21 hectares, num investimento estimado de 250 milhões de euros.

O investimento da Finangeste não se limita aos grandes centros urbanos de Lisboa e Porto. Temos todo o interesse em construir e investir em cidades que possuem grande potencial”, diz Paul Henri Schelfhout, administrador, citado em comunicado, notando que o projeto em Caldas da Rainha mostra essa versatilidade.

A Finangeste foi criada pelo Governo português em 1978 como uma empresa pública e atualmente faz parte de um grupo de empresas de recuperação de crédito e desenvolvimento imobiliário. Atua normalmente em parceria com investidores internacionais, sendo que são estes que avançam com a maioria do investimento. Nos dois últimos anos captou cerca de 500 milhões de euros de investimento internacional para novos projetos no país.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finangeste tem 500 milhões para investir em imobiliário em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião