Cuatrecasas assessora Ferrovial na venda de posição em duas autoestradas

A equipa de advogados a assessorar o Vendedor foi coordenada por Mariana Norton dos Reis, sócia de M&A da Cuatrecasas.

A Cuatrecasas assessorou juridicamente a Ferrovial na negociação da venda, através da sua subsidiária para a área das autoestradas Cintra Infrastructures, da sua participação de 49% na concessionária Norte Litoral e de 48% na da Via do Infante à DIF Infrastructure VI, um fundo gerido pela DIF Capital Partners, por um valor total €171 milhões. Como parte do acordo anunciado ontem pela Ferrovial, a Cintra manterá um contrato de gestão para os dois ativos.

A equipa de advogados foi coordenada por Mariana Norton dos Reis, sócia de M&A, e incluiu a consultora Telma Carvalho e os associados Catarina Lins Aguiar e Rodrigo Lobo Machado, da área de M&A. A consultora de Bancário, Financeiro e Mercado de Capitais Margarida Leal de Oliveira, o sócio de Público Lourenço Vilhena de Freitas e o sócio de Concorrência Pedro Marques Bom também integraram a equipa, assessorando nas respetivas áreas de especialidade.

A transação ficará concluída logo que sejam obtidas as necessárias aprovações por parte das autoridades portuguesas e instituições financeiras.

Em 2016, a DIF Infraestructure IV, outro fundo gerido pela DIF Capital Partners, já tinha adquirido participações de 51% na concessão Norte Litoral e de 49% na Via do Infante. Estas autoestradas foram concessões foram atribuídas à Cintra nos anos 2000 e 2001, respetivamente. A concessão da autoestrada Norte Litoral termina em 2031 e a da Via do Infante em 2030. Foi também a Cuatrecasas que assessorou a Cintra no desinvestimento de 2016.

A Cintra é um dos maiores operadores mundiais no sector das infraestruturas de transportes em termos do número de projetos e volume de investimento. Gere atualmente 25 concessões rodoviárias no Canadá, Estados Unidos, Europa, Austrália e Colômbia.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cuatrecasas assessora Ferrovial na venda de posição em duas autoestradas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião