“Relança-te”, um programa para acelerar a (re)integração no mercado de trabalho

A Fundação Ageas e o Impact Hub lançaram o “Relança-te”, um programa de aceleração online para combater o desemprego causado pela pandemia. As candidaturas estão abertas até 12 de outubro.

A Fundação Ageas e o Impact Hub Lisbon lançaram o “Relança-te”, um programa de capacitação e motivação dirigido a jovens com mais de 21 anos, que tenham estado em situação de lay-off e tenham perdido rendimentos, e que queiram ou já tenham iniciado um projeto de empreendedorismo sustentável.

O objetivo do projeto é ajudar a camada da população que perdeu o emprego devido à pandemia a reingressar no mercado de trabalho, através de um programa de aceleração e incubação, acompanhado por formadores e mentores. As candidaturas estão abertas até 12 de outubro e o projeto vai decorrer em formato 100% digital.

O programa integra a versão online da Escola do Impacto e, entre novembro e maio do próximo ano, vai selecionar dez finalistas que terão acesso a uma bolsa mensal de 1.500 euros e acesso a formação e mentoria para desenvolver os seus próprios projetos. Para participar, os candidatos devem ter concluído o 9.º ano de escolaridade, ter experiência profissional mínima de dois anos, conhecimento informático do ponto de vista do utilizador e um computador com acesso à internet.

10 finalistas, mas todos a bordo

Na primeira fase, o “Relança-te” vai acolher 50 candidatos em dois bootcamps — nos fins de semana de 6 e 7 de novembro e 13 e 14 de novembro. Destes, serão selecionados 25 elementos que transitam para a fase 2 de aceleração, que decorre entre 30 de novembro e 8 de março. Na terceira fase serão selecionados dez finalistas para a fase 4 de incubação que decorre a 13 de março a 31 de maio, durante a qual a mentoria será mais orientada para cada projeto a desenvolver e cada participante terá acesso a uma bolsa de 1500 euros, da Fundação de Ageas.

Os participantes que não passarem para as fases seguintes podem continuar a integrar a plataforma colaborativa da Escola do Impacto e inscrever-se nas próximas edições. “Essas pessoas vão ficar em contacto, nesta comunidade de empreendedorismo, de cowork, de laboratório de inovação e, portanto, vão crescendo. É essa a nossa intenção, fazê-los crescer”, assegura à Pessoas Célia Inácio, presidente da Fundação Ageas.

Durante todo o programa, os participantes terão a oportunidade de completar 108 horas de aceleração, acesso a mentoria pessoal, mentoria ao projeto, consultoria e feedback, acesso a recursos sobre empreendedorismo e ainda a possibilidade de construir uma rede de networking e contactos para o futuro.

Online pode ajudar a combater exclusão

Um dos critérios de seleção dos candidatos é terem conhecimentos informáticos do ponto de vista do utilizador e um computador com acesso à internet. Um dos maiores desafios do online será a forma como cada candidato vai adaptar-se a este formato, destaca a responsável. Contudo, o facto de ser online poderá possibilitar chegar a candidatos de todos os cantos do país, ressalva Célia Inácio. O Impact Hub Lisbon ficará responsável pela gestão e implementação do programa.

 

“A Fundação Ageas quer ser parte da solução, evitar o desemprego de longa duração e ajudar a relançar a economia, através da capacitação de pessoas, mas também da motivação, por forma a voltarem a acreditar que é possível recomeçar, daí o nome desta versão da Escola de Impacto online“, sublinha a responsável. “Se conseguir levar ao emprego dez pessoas numa edição, sou muito feliz“, remata Célia Inácio.

As candidaturas à primeira edição do “Relança-te” estão abertas até 12 de outubro e podem ser submetidas no site oficial da Escola de Impacto. Até 2022, a Fundação Ageas vai organizar mais duas edições do programa para continuar a combater o desemprego.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Relança-te”, um programa para acelerar a (re)integração no mercado de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião