Novo Banco reitera que conhece beneficiário último da GNB Vida

Após as declarações de Francisco Louçã na televisão, o Novo Banco veio reiterar que não só identificou o beneficiário último do fundo Apax, como entregou a informação ao supervisor e Governo.

O Novo Banco reitera que identificou o beneficiário último do fundo de investimento que comprou a seguradora GNB Vida, tendo entregado essas informações ao Fundo de Resolução e ao ministro das Finanças.

O esclarecimento enviado este sábado para as redações surge depois das declarações de Francisco Louçã no comentário semanal na Sic Notícias e que o banco refuta. “O Novo Banco vem desmentir e esclarecer as afirmações do comentador Francisco Louçã, em particular no ponto em que afirma que o Novo Banco não revelou o último beneficiário da compra da antiga seguradora GNB Vida. Por ser repetidamente falsa tal afirmação, necessita ser desmentida, repudiada e esclarecida”, afirma a instituição financeira.

Em quatro pontos, o banco assegura que identificou o beneficiário efetivo da seguradora. Diz que a idoneidade do fundo Apax foi aferida pelo regulador do setor segurador, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) e que este fundo é regulado pela entidade reguladora britânica Financial Conduct Authority (FCA).

“Adicionalmente, o Novo Banco identificou o beneficiário efetivo do fundo de investimento comprador da GNB Vida, de acordo com os critérios fixados no artigo 30 da Lei 83/2017, de 18 de agosto, reforçados há menos de um mês por unanimidade pela Assembleia da Republica através da Lei n.º 58/2020, de 31 de agosto”, adianta ainda.

Para o banco não subsistem dúvidas quanto ao beneficiário último da GNB Vida, atualmente designada GamaLife.

A venda da GNB Vida causou uma perda de mais de 250 milhões de euros para o banco, e levantou dúvidas por causa de Greg Lindberg, antigo dono da Bankers Insurance Holdings e que foi condenado nos EUA. A Bankers Insurance Holdings foi adquirida pela Apax.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco reitera que conhece beneficiário último da GNB Vida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião