Carlos Moedas não acredita que turismo venha a ter apoio especifico

  • Lusa
  • 22 Setembro 2020

"Não acredito que haja um programa de apoio específico para o turismo" ao nível da União Europeia, disse Carlos Moedas, ex-comissário europeu.

O ex-comissário europeu Carlos Moedas, na cimeira do turismo português, disse esta terça-feira não acreditar que as instituições europeias criem uma linha específica de apoio ao turismo, um dos setores económicos mais afetados pela pandemia.

Alguns países [da União Europeia] não querem. Não acredito que haja um programa de apoio específico para o turismo“, afirmou o social-democrata, antigo comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, defendendo que os projetos portugueses candidatos a apoios europeus devem apostar no digital e no ambiente.

Convidado da conferência ‘online’ da V Cimeira do Turismo Português – ‘Turismo pós-covid’ -, Carlos Moedas, atualmente administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, considerou que “a Europa continua a comunicar muito mal” com as populações e que “devia comunicar mais diretamente com as pessoas”, até porque os Estados-membros, normalmente os intermediários da informação, “anunciam os apoios como se fossem deles”.

O ex-comissário europeu falou ainda sobre a saída do Reino Unido da União Europeia: “Parece que a probabilidade de sair sem acordo é maior do que sair com acordo. Vivemos um período muito difícil“, disse, defendendo que, sem acordo, a Europa vai ter de impor tarifas e quotas, e o Reino Unido vai reagir também com quotas e tarifas, o que considerou “um regresso ao passado”.

O Governo britânico rejeitou o ultimato da União Europeia (UE) para retirar uma proposta de lei que invalida algumas cláusulas do Acordo de Saída da UE e do Protocolo relativo à Irlanda do Norte.

A proposta de lei para o “Mercado Interno” contraria partes do Acordo de Saída, deixando de aplicar a lei da UE no caso de as negociações para um acordo de comércio pós-Brexit falharem, em temas como declarações de exportação, apoios estatais e controlos aduaneiros que envolvam a Irlanda do Norte.

A Comissão Europeia ameaçou o Reino Unido com uma ação judicial, avisando que “a violação dos termos do Acordo de Saída violaria o direito internacional, minaria a confiança e poria em risco as futuras negociações em curso sobre as relações”.

As medidas para combater a pandemia de covid-19 paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo Monetário Internacional (FMI) a prever uma queda da economia mundial de 4,9%, em 2020, arrastada por uma contração de 8% nos Estados Unidos, de 10,2% na zona euro, e de 5,8% no Japão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Moedas não acredita que turismo venha a ter apoio especifico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião