Dinheiro “para salvar empregos na Europa” chega “em breve” aos países, garante Ursula von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia adianta que o SURE já está ativo e que o dinheiro requerido pelos países europeus ficará disponível em breve.

A verba reservada por Bruxelas, ao abrigo do SURE, para apoiar o emprego chegará “em breve” aos 16 Estados-membros que aderiram a este instrumento, assegurou esta terça-feira a presidente da Comissão Europeia. Portugal pediu um empréstimo de 5,9 mil milhões de euros, nesse âmbito.

Numa mensagem divulgada no Twitter, Ursula von Der Leyen sublinhou que o SURE, instrumento desenhado para apoiar o emprego face à pandemia de coronavírus, está agora em prática, devendo o dinheiro requerido pelos Estados-membros ficar disponível “em breve”. “Juntos podemos conseguir tanto para os nossos cidadãos”, escreveu a líder do Executivo comunitário, na rede social referida.

No final de agosto, a Comissão Europeia propôs ao Conselho Europeu que aprovasse um empréstimo de 5,9 mil milhões de euros, ao abrigo do SURE, a Portugal. Esse tinha sido, de resto, o valor pedido pelo Ministério das Finanças a Bruxelas para financiar nomeadamente as despesas com o lay-off simplificado e com o seu sucedâneo, o apoio à retoma progressiva.

Além de Portugal, requereram empréstimos ao abrigo deste instrumento a Bélgica, Bulgária, República Checa, Grécia, Espanha, Croácia, Itália, Chipre, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Roménia. A estes 15 países, o Executivo comunitário propôs conceder um apoio financeiro total no valor de 81,4 mil milhões. No total, o SURE poderá disponibilizar até 100 mil milhões de euros aos Estados-membros.

De acordo com a cronologia divulgada pela Comissão Europeia, esta segunda-feira o SURE passa a estar ativo, daí que Ursula von der Leyen tenha referido que esse instrumento está, a partir de agora, em prática. As garantias para os empréstimos em causa estão também já assinadas e aprovadas por todos Estados-membros, abrindo caminho à disponibilização do dinheiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dinheiro “para salvar empregos na Europa” chega “em breve” aos países, garante Ursula von der Leyen

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião