A sustentabilidade atrai talento? A nova Pessoas já está nas bancas

  • Pessoas
  • 23 Setembro 2020

A cor verde deixou de descrever apenas o ambiente natural, saudável e sustentável: é tom de atração e de retenção de talento que quer, cada vez mais, ter menos mas melhor impacto no mundo.

Capa da revista Pessoas 10
Capa da revista Pessoas #10, de setembro/outubro de 2020.Hugo Amaral/ECO

Mudar o mundo. Aproveitar o tempo. Equilibrar a agenda. Viver com propósito. Cada vez mais pessoas procuram trabalhar em prol de uma missão comum à da sua própria vida. E se as preocupações ambientais eram para as empresas, há alguns anos, a bandeira de um propósito partilhado, agora as duas dimensões estão cada vez mais misturadas e a linha que separa a pessoa e o trabalho é cada vez mais ténue.

Na rentrée, a edição de setembro/outubro da Pessoas analisa a “sustentabilidade” como fator de atração das empresas. Mas não quisemos apenas falar da forma como as empresas usam os argumentos de proteção do ambiente para atrair e reter talento: a ideia da sustentabilidade está, naturalmente, ligada à sustentabilidade ambiental mas, sobretudo, à sustentabilidade dos recursos humanos, das próprias pessoas. O ambiente como fator estruturante da missão das empresas é encarado como um todo que inclui as dimensões exterior e interior.

O ritmo de trabalho e o contacto quase permanente entre colegas faz com que a tarefa de equilibrar a vida e a profissão seja cada vez mais desafiante. Trabalhar em empresas com um propósito que implica a sustentabilidade dos seus recursos é, muitas vezes, um ponto de partida – e fundamental – para assegurar o recrutamento de novas pessoas.

Compre a nova Pessoas no seu quiosque habitual ou assine a revista aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A sustentabilidade atrai talento? A nova Pessoas já está nas bancas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião