SIC entra na “guerra” do streaming com subscrição a 3,99 euros/mês

A SIC apresentou uma nova plataforma de streaming própria que permite aceder a conteúdos de entretenimento e informação de forma não linear, concorrendo com outras opções internacionais.

A SIC vai lançar um serviço de streaming próprio, ao qual chamou de OPTO. A plataforma, que terá “presença em todo o mundo”, permitirá assistir a “centenas de séries, documentários, novelas, sketches e outros formatos” do universo da estação do grupo Impresa, anunciou em comunicado. Uma das versões não tem custos para os utilizadores.

“OPTO SIC terá duas versões: uma versão gratuita, com um catálogo contendo centenas de séries, documentários, novelas, sketches e outros formatos, sempre com a chancela de qualidade SIC; e uma versão premium, à qual se acrescenta à versão base conteúdos exclusivos e a possibilidade de ver episódios de novelas que passam na antena na SIC 24h antes da sua emissão, catchup de 30 dias SIC generalista e dois noticiários diários com a possibilidade de escolher entre a duração de 10, 15 ou 20 minutos”, refere a Impresa.

Ao que o ECO apurou, o serviço premium do OPTO terá um preço de 3,99 euros por mês ou 39,99 euros por ano, um valor inferior ao cobrado pelas demais plataformas de streaming internacionais com presença em Portugal. Até ao lançamento em novembro, a empresa cobra 29,99 euros por uma assinatura de um ano.

“O futuro da SIC passa por fazer sempre mais e melhor. E hoje damos mais um passo nesse caminho, através do lançamento de uma nova plataforma que revolucionará o panorama dos media em Portugal e, mais importante, constituirá uma nova forma do nosso público poder aceder aos melhores conteúdos audiovisuais portugueses”, diz Francisco Pedro Balsemão, presidente executivo da Impresa, citado na mesma nota.

Segundo a SIC, “nas primeiras semanas após o lançamento do serviço, OPTO SIC terá, em exclusivo, Esperança, uma nova série cómica de César Mourão, duas séries dramáticas, A Generala, com Soraia Chaves, Margarida Marinho, Vitória Guerra e Carolina Carvalho, baseada numa história real; e O Clube, com Sara Matos, Filipa Areosa, Margarida Vila Nova e José Raposo”.

A estação de Paço d’Arcos também promete “mais”, “incluindo formatos originais e imperdíveis de Bruno Nogueira, Ricardo Araújo Pereira e Ljubomir Stanisic; um documentário marcante de Sofia Pinto Coelho; conteúdos informativos apresentados por Clara de Sousa; e episódios novos de Mundo à Vista.

O lançamento de OPTO SIC surge numa altura em que pelo menos seis plataformas de streaming operam em Portugal: Netflix, HBO Portugal, NOS Play, Apple TV+, Amazon Prime Video e Disney+. Visa também um mercado em franco crescimento, perante um aumento da procura por conteúdos audiovisuais não lineares, acelerada pela pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIC entra na “guerra” do streaming com subscrição a 3,99 euros/mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião