Governo quer desempregados a estagiar na Administração Pública

Programa de estágios na Administração Pública arranca no próximo ano. Alvos são jovens desempregados ou à procura do primeiro emprego.

O Governo quer abrir em 2021 um programa de estágios para jovens desempregados ou à procura do primeiro emprego na Administração central e local, refere a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano a que o ECO teve acesso.

De acordo com o documento, “os membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças, da Administração Pública e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social promovem a abertura de um programa de estágios”.

Os estágios serão lançados em parceria com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), terão uma duração de até nove meses e podem ser concluídos a tempo parcial, para permitir acumulação com formação, avança a proposta do Orçamento do Estado para 2021, entregue pelo Governo ao Parlamento na noite desta segunda-feira.

No mesmo documento, o Governo tem ainda planos para simplificar, modernizar, e tornar mais célere o recrutamento para a Administração Pública. Para isso deverá proceder-se à “desmaterialização do procedimento concursal de recrutamento”, através da atualização das funcionalidades da Bolsa de Emprego Público e pela criação de uma nova plataforma de gestão.

“A celeridade na contratação ou substituição e o reforço em áreas estratégicas são dois aspetos essenciais para preparar a Administração Pública para responder a novos desafios de forma eficiente, criar massa crítica capaz de gerar valor e melhorar a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos“, lê-se no documento.

A notícia já tinha sido avançada no início de outubro, sendo agora confirmada. Esta medida surge na sequência em que os efeitos da pandemia na taxa de desemprego são esperados, apesar dos apoios à manutenção dos postos de trabalho criados pelo Governo.

Notícia atualizada com mais informação referente à duração dos estágios e ao processo de recrutamento, de acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2021, entregue esta segunda-feira à noite.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer desempregados a estagiar na Administração Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião