Governo agrava multas até 10 mil euros. Costa fala em “desleixo” das regras contra a Covid-19 nos restaurantes

O primeiro-ministro apontou que os restaurantes têm desleixado a aplicação das regras ao longo do tempo. As coimas são agravadas e a fiscalização vai aumentar.

As coimas para pessoas coletivas, nomeadamente os restaurantes, que não assegurem o cumprimento das regras de lotação e afastamento entre os clientes vão subir para 10 mil euros, anunciou o primeiro-ministro após a reunião do Conselho de Ministros. António Costa apontou que ao longo do tempo a aplicação das regras nos restaurantes têm vindo a ser “desleixada”.

Será “agravado até 10 mil euros as coimas aplicáveis a pessoas coletivas, em especial restauração, que não assegurem o cumprimento das regras de lotação e afastamento” de pessoas, adiantou o primeiro-ministro, após uma reunião que foi antecipada por causa da sua viagem a Bruxelas. Esta medida faz parte de um conjunto de novas restrições, numa altura em que a evolução da pandemia é “grave”, como classificou Costa.

O primeiro-ministro apontou que “ao longo dos meses tem vindo a desleixar-se a forma como restaurares têm vindo a cumprir normas”, motivando assim este agravamento. Costa anunciou ainda que a evolução da pandemia levou à passagem do país para o estado de calamidade, sendo que o maior estado de alerta serve para enquadrar as medidas, nomeadamente este reforço das coimas.

Para além disso, foi também determinado que as forças de segurança e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica reforcem a fiscalização do cumprimento das regras, tanto na via pública como nos estabelecimentos comerciais e de restauração. O Governo determinou ainda que “deixarão de poder haver ajuntamentos na via pública de mais de cinco pessoas, limitação que se aplica a outros espaços de uso público de natureza comercial ou na restauração”, ou seja, os restaurantes terão de aplicar também estas medidas mais restritivas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo agrava multas até 10 mil euros. Costa fala em “desleixo” das regras contra a Covid-19 nos restaurantes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião