KPMG auditou fundo das Maurícias implicado em atividades suspeitas da Wirecard

  • ECO
  • 14 Outubro 2020

A KPMG, que este ano revelou que a concorrente EY não conseguiu conter a fraude do Wirecard, também foi auditora de um veículo suspeito que pode ter sido usado para desviar fundos do grupo germânico.

A KPMG, que este ano revelou que a rival EY perdeu a oportunidade de impedir a fraude da Wirecard, era ela própria a auditora de um veículo suspeito que os investigadores acreditam ter sido usado para desviar fundos do grupo de pagamentos alemão, avança o Financial Times.

Numa auditoria especial na Wirecard, que precipitou o colapso da fintech germânica, a KPMG escreveu uma adenda em que criticava a EY por esta não ter feito o acompanhamento adequado das alegações de fraude contabilística de 2016.

Entre as alegações estava a de que a “administração sénior da Wirecard” secretamente detinha participações num fundo sedeado nas Maurícias que vendeu três empresas indianas à Wirecard, por 340 milhões de euros, semanas depois de as comprar por uma fração desse valor. Os responsáveis da Wirecard foram ainda acusados ​de inflacionar artificialmente o lucro operacional das empresas indianas, visando aumentar o preço de aquisição.

A KPMG concluiu que uma investigação subsequente da EY sobre as alegações estava “incompleta” e que existiam evidências “que deveriam ter sido investigadas de forma conclusiva”. No entanto, segundo explica o jornal britânico, não constava do relatório da KPMG qualquer reconhecimento de que o auditor do fundo das Maurícias, denominado Emerging Market Investment Fund 1A, era a própria KPMG.

Segundo as informações recolhidas pelo Financial Times, além de auditar o fundo, a KPMG também desempenhou o papel de consultor no negócio suspeito e um dos sócios da consultora envolvidos passou a trabalhar para o fundo das Maurícias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

KPMG auditou fundo das Maurícias implicado em atividades suspeitas da Wirecard

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião