Recibos verdes já podem pedir para pagar contribuições atrasadas em tranches

Os trabalhadores independentes que tenham diferido as contribuições relativas aos meses em que estiveram a receber a apoio extraordinário já podem pedir para para saldar a dívida em prestações.

Os trabalhadores independentes que tenham aderido ao apoio extraordinário à redução da atividade e que, nesse âmbito, tenham diferido as contribuições sociais dos últimos meses já podem pedir à Segurança Social para liquidar em prestações o valor em falta.

O formulário para o requerimento do pagamento em prestações das contribuições diferidas está disponível na Segurança Social Direta, foi indicado esta terça-feira à tarde. De acordo com a Segurança Social, o valor em falta pode ser pago num prazo máximo de 12 meses, em prestação mensais e iguais, sem juros de mora.

Segundo a legislação em vigor, os trabalhadores independentes abrangidos pelo apoio extraordinário à redução da atividade têm direito ao diferimento do pagamento das contribuições devidas nos meses em que a ajuda esteja a ser paga (até seis meses). E o valor em falta deve ser pago a partir do segundo mês após a cessação do apoio.

O apoio à redução da atividade económica garante uma ajuda entre 219,4 euros e 635 euros aos trabalhadores independentes que estejam em paragem total ou com uma quebra de, pelo menos, 40% da sua faturação.

Para ter acesso a esta prestação, o trabalhador independente tem de contar com três meses consecutivos ou seis meses interpolados de descontos para a Segurança Social, nos últimos 12 meses. O apoio tem a duração de um mês, sendo prorrogável mensalmente até um máximo de seis meses. É possível requerer esta prestação até ao final do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recibos verdes já podem pedir para pagar contribuições atrasadas em tranches

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião