Nos junta-se à Vodafone e diz que regras do leilão de 5G são “ilegais”

  • ECO
  • 15 Outubro 2020

A posição alinha com a da Vodafone, sendo que as operadoras atacam o modelo que reserva um espetro preferencial para novos players, com um desconto de 25% face ao preço final.

A Nos considera que as regras do leilão de 5G são ilegais e acusa a Anacom de estar a comprometer o investimento no setor. Em declarações ao ECO, fonte oficial da empresa critica o modelo, tal como tinha feito a concorrente Vodafone, que diz mesmo que não irá participar no leilão caso as regras não sejam alteradas.

“As regras do leilão, tal como as conhecemos, são absolutamente ilegais, inaceitáveis e desastrosas para o setor e para o país. Este regulamento compromete irremediavelmente a concorrência e o investimento no setor, e, consequentemente, a desejada transição digital das empresas, do setor público e da população, bem como a coesão territorial e social”, diz fonte oficial da Nos.

A posição alinha com a da Vodafone, sendo que as operadoras atacam o modelo que reserva um espetro preferencial de 900 MHz e 1.800 MhZ para novos players, com um desconto de 25% face ao preço final. Além disso, novos players não teriam obrigações de investimento no país, um “fardo” que teria de ser partilhado apenas pelas empresas que já estão no mercado, ou seja, Altice, Vodafone e Nos. O regulador planeia relançar o leilão ainda este mês após os atrasos causados pela pandemia.

A Vodafone ameaça mesmo não participar, enquanto a Nos não adianta se já tomou essa decisão. “Se as regras não forem alteradas estaremos a condenar Portugal à irrelevância na futura economia digital, prejudicando, assim, de forma irreversível a competitividade das empresas e a evolução do nível de vida dos portugueses”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos junta-se à Vodafone e diz que regras do leilão de 5G são “ilegais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião