Família Azevedo revê em alta preço da OPA à Sonae Capital. Vai pagar 77 cêntimos por ação

Em vez dos 70 cêntimos propostos inicialmente, vai pagar uma contrapartida de 77 cêntimos por ação. 

A poucos dias do fim da Oferta Pública de Aquisição (OPA) à Sonae Capital, a holding Efanor da família Azevedo decidiu rever em alta o preço oferecido em 10%. Em vez dos 70 cêntimos propostos inicialmente, vai pagar uma contrapartida de 77 cêntimos por ação, segundo anunciou esta quarta-feira sem explicar a razão para a subida.

“O Conselho de Administração da Efanor Investimentos, SGPS, S.A. deliberou rever em alta a contrapartida da Oferta, de €0,70 (setenta cêntimos) para €0,77 (setenta e sete cêntimos). Foi já solicitada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a aprovação da correspondente adenda ao prospeto da Oferta, de modo a refletir nos documentos da Oferta os seus novos termos”, anunciou em comunicado.

A 31 de julho que a holding Efanor Investimentos fez o anúncio preliminar de duas ofertas públicas gerais e voluntárias: uma sobre a Sonae Capital e outra sobre a Sonae Indústria. No caso da Sonae Capital, o objeto da OPA são os cerca de 37,2% de capital da Sonae Capital que a Efanor e empresas associadas ainda não controlam.

Na altura, o grupo ofereceu uma contrapartida a pagar em numerário de 70 cêntimos por ação, o que representava um prémio de cerca de 46,8% face ao preço das ações antes do anúncio. Desde então, os títulos valorizaram no PSI-20 até chegarem à marca dos 70 cêntimos por ação em que fecharam na sessão desta quarta-feira.

Esse valor foi considerado pelo Conselho de Administração da Sonae Capital como “justificável e passível de ser aceite”. Após o anúncio preliminar, o grupo aproveitou para comprar ações no mercado a um preço mais baixo do que a contrapartida oferecida.

Em simultâneo, a Efanor lançou também uma OPA sobre a Sonae Indústria, que tem como o objeto os 31,4% de capital que ainda não controla. Para isso, o grupo oferece uma contrapartida a pagar em numerário de 1,14 euros por ação, o que representa um prémio de cerca de 77%. Também neste caso o parecer da administração é positivo.

A oferta vai decorrer até às 15h00 do dia 27 de outubro, podendo as respetivas ordens de venda ser recebidas até ao termo deste prazo. Os resultados serão conhecidos no dia seguinte, antes da liquidação financeira, a 30 de outubro.

(Notícia atualizada às 22h00)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Família Azevedo revê em alta preço da OPA à Sonae Capital. Vai pagar 77 cêntimos por ação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião