Inteligência artificial pode ajudar a formar para as profissões do futuro

A inteligência artificial tanto pode ameaçar empregos como ser parte da solução para a requalificação dos trabalhadores para as profissões do futuro, alerta o Fórum Económico Mundial.

A automação e a inteligência artificial estão a revolucionar o mundo do trabalho e há quem as olhe como uma ameaça que vai destruir empregos. Por outro lado, a inteligência artificial (IA) pode ser uma ajuda na qualificação e requalificação de profissionais para se prepararem para as competências que o futuro vai exigir, alerta o Fórum Económico Mundial (acesso livre, conteúdo em inglês).

Em apenas cinco anos, o tempo gasto numa tarefa será o mesmo, tanto para uma máquina como para um humano, devido ao rápido desenvolvimento da automação, revela o relatório “Future of Jobs Report 2020″.

Atualmente, o Fórum Económico Mundial prevê que, até 2025, fiquem em risco 85 milhões de trabalhos, em 26 países, e mais de 80% dos trabalhadores terão de reforçar o uso de processos digitais e trabalho remoto nas suas profissões. Antes da pandemia, no final ano passado, os estudos apontavam que metade das profissões dos portugueses tem potencial de automação e, por isso, as previsões apontam que, até 2030, possam desaparecer 1,1 milhões de postos de trabalho.

O Fórum Económico Mundial explica de que forma a inteligência artificial pode ajudar nos processos de reskilling e upskilling para as profissões do futuro.

Ferramentas de IA para reskilling e upskilling

De acordo com o Fórum Económico Mundial, um profissional demorará entre dois a três meses para começar a desenvolver competências em áreas como product development, data e inteligência artificial.

E ferramentas com recurso a algoritmos de inteligência artificial podem ajudar a criar programas de formação personalizados para as competências de cada trabalhador. O estudo dá o exemplo do software Edcast, que analisa as competências de cada trabalhador e combina essa informação com as necessidades de mercado, permitindo aos trabalhadores assegurar os seus empregos no futuro.

Por outro lado, as ferramentas de IA podem ajudar a integrar a aprendizagem no dia-a-dia das organizações, através do conceito de microlearning. A startup canadiana Axonify adaptou o conceito, através do qual os trabalhadores podem despender alguns minutos por dia e, num período de entre três a cinco minutos, dedicar-se a aprender uma nova competência adaptada às suas necessidades individuais, previamente identificadas através de um algoritmo de IA.

Encontrar novas oportunidades e preparar a próxima geração de trabalhadores

“Nenhuma tecnologia, por si só, poderá resolver os problemas que os trabalhadores enfrentam atualmente. Além das novas tecnologias, a transição justa para um futuro do trabalho positivo, vai exigir políticas governamentais inteligentes, iniciativas corporativas ambiciosas e a ação de cada um dos trabalhadores“, alerta o Fórum Económico Mundial.

O Fórum Económico Mundial dá o exemplo de plataformas como a SkyHive ou a Kalido, que ajudam os profissionais a encontrar novas oportunidades de trabalho, dentro ou fora da sua organização, sempre com base na identificação de novas competências e na requalificação.

Além disso, refere o relatório, as ferramentas com base em inteligência artificial podem ser uma forma de criar oportunidades para as fatias da população com menos acesso à educação.

“À medida que trabalhamos para desenvolver respostas à disrupção que está a decorrer, devemos encorajar empreendedores a focarem-se em novas formas de utilizar as tecnologias de inteligência artificial para empoderar os trabalhadores de hoje e criar novas oportunidades para os trabalhadores de amanhã”, refere Fórum Económico Mundial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inteligência artificial pode ajudar a formar para as profissões do futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião