Centeno recupera velho lema em semana de OE. “As contas devem ser, de facto, certas”, diz o governador

Na semana em que o Parlamento vota a proposta de Orçamento do Estado para 2021, o governador do Banco de Portugal voltou a um lema que usou enquanto ministro: "As contas devem ser, de facto, certas".

Na semana em que o Parlamento vota o Orçamento do Estado para 2021, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, recuperou um lema que o guiou enquanto ministro das Finanças nos últimos cinco anos: “Devemos ter a perceção e a compreensão que tudo conta e que as contas devem ser, de facto, certas”.

Centeno falava na Sessão Solene da Semana da Formação Financeira 2020, uma iniciativa que visa promover a literacia financeira dos portugueses, mas surge numa altura em que Governo e partidos negoceiam a proposta orçamental do Estado para o próximo ano e com implicações para os bolsos de todos.

“Não só todos contam, mas também tudo conta. Tudo conta, mas em especial tudo conta na dimensão financeira. (…) Aprendemos que a vida é feita de pequenos nadas. E na dimensão financeira isso é ainda mais verdade. Nós devemos ter a perceção e a compreensão que tudo conta e que as contas devem ser de facto certas”, disse Centeno, que ficou conhecido por ser o “ministro das contas certas” ao conduzir Portugal de uma situação de défice orçamental a um inédito excedente de 0,1% do PIB no ano passado.

Com a pandemia, as contas públicas vão voltar ao vermelho perante a necessidade do Governo responder à crise com mais apoios às famílias e empresas. O Executivo prevê défices de 7,3% e 4,3% do PIB este ano e no próximo, respetivamente.

"Não só todos contam, mas também tudo conta. Tudo conta, mas em especial tudo conta na dimensão financeira. (…) Aprendemos que a vida é feita de pequenos nadas. E na dimensão financeira isso é ainda mais verdade. Nós devemos ter a perceção e a compreensão que tudo conta e que as contas devem ser de facto certas.”

Mário Centeno

Governador do Banco de Portugal

Centeno, falando agora na qualidade de governador do Banco de Portugal e de presidente do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, cargo que ocupa desde julho passado, lembrou a importância de se assumir uma postura de aprendizagem contínua ao longo da vida. Tal como ele próprio assume.

“Aqueles que são hoje alunos e estão nas escolas a aprender não devem esquecer que devem passar toda a sua vida a ser estudantes. Aqueles que hoje são alunos um dia serão ex-alunos mas fomos todos estudantes. E acreditem que ainda hoje, eu, nas funções que desempenho, continuo a estudar e a aprender dimensões muito importantes na literacia financeira“, disse.

O governador explicou que “em todos os domínios da nossa vida, mais informação habilita-nos sempre a tomar decisões mais informadas e consciência”. “É isto que significa exatamente liberdade”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno recupera velho lema em semana de OE. “As contas devem ser, de facto, certas”, diz o governador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião