Défice comercial agrava-se em 2,4 mil milhões em 2019. Importações através de e-commerce sobem 23,5%

Numa altura em que o online ganha cada vez mais relevância, as importações de bens através do comércio eletrónico/vendas à distância cresceram 23,5%.

A balança comercial de bens de Portugal registou um défice de 20.074 milhões de euros em 2019, mais 2.485 milhões de euros que no ano anterior. As exportações aumentaram 3,5%, enquanto as importações cresceram 6%, em termos nominais, revelam os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

Estes dados representam uma revisão em baixa do desequilíbrio da balança, já que em fevereiro o gabinete de estatísticas calculava que o défice comercial tinha aumentado em 2.842 milhões de euros em 2019. Já se excluirmos os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 4,4% e as importações 6,8%, com uma subida no défice de 2.155 milhões de euros.

Numa altura em que o online ganha cada vez mais relevância, as importações de bens através do comércio eletrónico/vendas à distância cresceram. O ano passado foi marcado por um aumento de 23,5% nestas compras, que totalizaram 348 milhões de euros. As importações nesta rubrica viram assim uma subida de 66 milhões de euros, face ao ano anterior.

Os bens de consumo foram a principal categoria económica importada através do comércio eletrónico, representando quase os dois terços em 2019. “Seguiram-se as máquinas e outros bens de capital, com um peso de 21,6% e os fornecimentos industriais com 8,0%”, nota o INE.

Quanto aos países com quem Portugal tem mais relações comerciais, o “pódio” manteve-se inalterado. Os três principais clientes e fornecedores externos de bens a Portugal continuaram a ser Espanha, França e Alemanha”, nota o INE. O maior défice comercial também continuou a ser com Espanha, mas o maior excedente registou-se com os Estados Unidos, “enquanto no ano anterior tinha sido com o Reino Unido”.

Os produtos que o país mais importou foram máquinas e aparelhos, tal como no ano anterior, mas o principal grupo de produtos exportado passou a ser os veículos e outro material de transporte. Tanto as compras como vendas de material de transporte ao exterior aumentaram, 21,8% e 14,2%, respetivamente, atingindo em ambos o valor mais elevado do período 2010-2019.

“No valor total das exportações de material de transporte, 48,7% corresponderam a partes, peças separadas e acessórios, 34,7% aos automóveis para transporte de passageiros e 16,6% a outro material de transporte”, adianta o INE. Já nas importações, no ano passado, “houve um aumento muito significativo do peso da subcategoria outro material de transporte”, principalmente devido ao aumento nas importações de aviões. França passou a ser o principal fornecedor de material de transporte em 2019, maioritariamente por causa da subida nas importações de aviões.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice comercial agrava-se em 2,4 mil milhões em 2019. Importações através de e-commerce sobem 23,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião