Santander investe 100 milhões de euros em 11 objetivos da Banca Responsável

Em Portugal, o banco investiu 7 milhões em euros em sustentabilidade e responsabilidade social, triplicando o orçamento à luz da pandemia de Covid-19, explicou a administradora Inês Oom de Sousa. 

Em mais uma edição das Capital Verde Web Talks, uma série de conversas online com os Parceiros Fundadores e Agentes de Mudança da primeira plataforma online especializada em Finanças Sustentáveis e Green Economy em Portugal, Inês Oom de Sousa, administradora do Santander Portugal, garantiu que o banco está comprometido em “contribuir para um futuro mais verde”, com base em 11 objetivos da Banca Responsável. Estes vão desde o financiamento verde, passando pelo consumo de eletricidade de fontes renováveis ou pela redução do plástico, entre outros.

“São objetivos que já tínhamos e estão a ser reforçados, com um investimento bastante grande a nível global, na ordem dos 100 milhões de euros. Queremos contribuir para um mundo mais verde em todos os países onde estamos presentes, ajudando clientes, particulares e empresas, o que para nós faz a diferença”, revelou.

De acordo com a responsável do Santander Portugal, “na Conferência das Nações Unidas COP 25 o banco revelou que, pela primeira vez, em 2020 seria neutro em carbono”. “Em Portugal, 100% da energia consumida já é de origem renovável e ao nível do plástico já eliminámos 98% do de utilização única. Investimos este ano cerca de sete milhões em euros em sustentabilidade e responsabilidade social, onde triplicámos o nosso orçamento à luz da pandemia de Covid-19″, explicou Inês Oom de Sousa.

Além disso, o Santander — considerado o banco mais sustentável do mundo pelo índice Dow Jones Sustainability — lançou também uma nova oferta com vários “produtos ligados a uma economia mais verde: crédito às energias renováveis, crédito habitação Green, que tem um spread diferente consoante o certificado energético da habitação, uma linha para a descarbonização à economia social, cartões bancários carbon free e projetos de compensação das emissões de carbono de alguns produtos financeiros grupo”. “Em project finance temos participado em operações de energias renováveis“, acrescentou a responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander investe 100 milhões de euros em 11 objetivos da Banca Responsável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião