EDP já está a olhar para projetos de hidrogénio lá fora. “Há um mundo de oportunidades”

A garantia foi dada por António Martins da Costa, administrador da EDP para a área da Sustentabilidade, em mais uma edição das Capital Verde Web Talks.

Além do mega projeto no valor de 1,5 mil milhões de euros para instalar em Sines uma central de produção de hidrogénio verde com 1 GW de capacidade instalada, em consórcio com a Galp, Martifer, REN e a dinamarquesa Vestas, a EDP não esconde que está já a analisar oportunidades e projetos para a produção deste gás descarbonizado do futuro noutras geografias onde marca presença.

No que diz respeito ao hidrogénio, Espanha, Itália, Reino, Unido, Polónia, Roménia e França são alguns dos países já na mira da EDP.Sines é um dos nossos muitos projetos em curso, onde estamos com outros parceiros. Mas a aposta no hidrogénio verde não se esgota em Sines. Há um mundo de oportunidades a explorar, que se estende até aos EUA e ao Brasil”, disse António Martins da Costa, administrador da EDP para a área da Sustentabilidade, ao ECO/Capital Verde, em mais uma edição das Capital Verde Web Talks.

Veja o vídeo da entrevista

Apesar de muito importante, Martins da Costa garante que o hidrogénio “não é a pedra principal” de um futuro mais verde. “Sempre dissemos que o caminho para uma sociedade mais sustentável do ponto de vista energético passa por uma maior eletrificação dos consumos, o que significa que a produção tem de ser 100% descarbonizada. Mas há atividades económicas onde a eletrificação não chega. Por isso tem de haver soluções alternativas. O hidrogénio verde é uma delas. Não é uma originalidade da EDP ou de Portugal. É uma tendência europeia e mundial”, disse.

Em paralelo, a EDP quer também desenvolver um projeto de produção de hidrogénio a partir de energia offshore. Na Estratégia Nacional para o Hidrogénio, este é um dos projetos em destaque que “permitirá abrir novos mercados e aumentar a competitividade do setor de energia offshore de forma sustentável e inovadora”.

O membro do conselho de administração da EDP garante também que “há uma revolução da sustentabilidade que não parou com a pandemia de Covid-19. É preciso acelerar. Quem pensa que o tema da sustentabilidade pode ficar parado ou voltar para trás, não está a ver o filme face à realidade atual. Isto vai continuar e vai ser um dos grandes temas do futuro”.

Até 2022, o plano estratégico da elétrica inclui um investimento total de 12 mil milhões de euros, dos quais 75% (9 mil milhões) em geração renovável. “É uma aposta que confirmamos todos os dias. Fomos pioneiros na emissão de obrigações verdes. Desde que começámos, há um ano e meio, já lançámos 3,7 mil milhões de emissão de dívida dívida em green bonds, quase 30% da dívida total da EDP. Isto é o maior exemplo de que estamos completamente comprometidos no caminho da energia verde e da sustentabilidade. E a comunidade de investidores reconhece isso”, rematou Martins da Costa.

Até 2022, a EDP quer ter mais de 90% da sua geração de energia elétrica proveniente de fontes renováveis, somando para isso mais sete GW de potência instalada ao seu portfólio atual. Daqui a dois anos, a elétrica terá então quase 28 GW de energia eólica, hídrica e solar, entre outras.

Dos atuais 26,8 GW de capacidade total instalada da EDP, 19,8 GW já são renováveis. Os restantes 26% (7 GW) são ainda de origem fóssil (carvão e gás).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP já está a olhar para projetos de hidrogénio lá fora. “Há um mundo de oportunidades”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião