Indústria domina economia da UE. Em Portugal é o comércio

A indústria representou 19,7% do valor acrescentado bruto total da UE no ano passado. Portugal está abaixo da média europeia, surgindo em 18.º lugar na tabela.

A indústria é a maior atividade económica da União Europeia (UE) no que diz respeito à produção gerada, representando 19,7% do valor acrescentado bruto total do espaço comunitário, revelam os últimos dados do Eurostat referentes a 2019. No entanto, o peso da indústria no bloco registou uma queda acentuada ao longo dos últimos 20 anos, comparando com os 22,6% que eram observados em 1999.

No ano passado, a segunda categoria com maior peso na produção da UE foi o comércio grossista e retalhista, transportes, alojamento e serviços alimentares, representando 19,2% do total do valor acrescentado bruto (VAB) do bloco. Este foi seguido da administração pública, defesa, educação, saúde humana e atividades de assistência social (18,7%), das atividades profissionais, científicas e técnicas (11,4%) e das atividades imobiliárias (10,8%).

A Irlanda é o país da UE em que a indústria tem maior peso (35%), seguindo-se a República Checa (29,2%) e a Eslovénia (27%). Portugal está apenas em 18.º lugar, na segunda metade da tabela, com uma estimativa provisória de 17,5%, abaixo da média da UE.

Peso da indústria no VAB dos países da UE:

Fonte: Eurostat

Indústria portuguesa é ultrapassada pelo comércio e administração pública

Portugal é o sexto país da UE em que a categoria de comércio grossista e retalhista, transportes, alojamento e serviços alimentares teve maior peso no VAB total no ano passado, correspondendo a 24,5%, segundo o Eurostat.

A Lituânia foi o país com maior peso neste âmbito, representando 31,4% do VAB total, seguida pela Grécia (27,6%), Polónia (26%), Chipre (25,3%) e pela Letónia (24,8%).

Desta forma, a indústria portuguesa é apenas o terceiro setor com maior peso no VAB nacional, apresentando uma quota de 17,5% no total do VAB em 2019. Esta é ainda ultrapassada pelo segundo setor com maior peso, a administração pública, defesa, educação, saúde humana e atividades de assistência social, que registou uma quota de 19,3%

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indústria domina economia da UE. Em Portugal é o comércio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião