Banca dá quase mil milhões para as famílias comprarem casa

Após uma quebra durante os meses do primeiro confinamento, a concessão de crédito à habitação recupera desde maio. Instituições financeiras deram quase mil milhões de euros em empréstimos.

Desde janeiro que as famílias em Portugal não recebiam tanto dinheiro em créditos à habitação. Dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal indicam que foram concedidos 970 milhões de euros em crédito para habitação em setembro, mais 116 milhões do que no mês anterior. Também o crédito ao consumo e com outros fins subiu.

Os montantes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 970, 388 e 183 milhões de euros, respetivamente”, explicou o BdP no boletim publicado esta segunda-feira. Nos três casos tratam-se de subidas face a agosto e continua a tendência de recuperação após a forte quebra nos empréstimos durante os meses do confinamento.

Concessão de novos empréstimos (em milhões de euros)

Fonte: Banco de Portugal

Não só as famílias solicitaram mais dinheiro para comprar casa como pagaram menos pelos empréstimos. “Nas novas operações de empréstimos a particulares para habitação, a taxa de juro média desceu 6 pontos base, para 0,92%, um novo mínimo histórico, pelo segundo mês consecutivo”, aponta o Banco de Portugal.

Esta quebra acompanha o que tem sido a guerra de spreads entre os maiores bancos, que têm reduzido as suas margens para captar mais clientes para o crédito à habitação. Já nos empréstimos ao consumo, a taxa de juro média manteve-se em 6,63% e, nos empréstimos para outros fins, diminuiu para 3,20% (contra 3,37% em agosto).

As taxas de juro de novas operações de empréstimos a empresas também se agravaram. “Em setembro, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras aumentou 4 pontos base face a agosto, para 1,99%. A taxa de juro das operações acima de 1 milhão de euros foi de 1,77% (1,53% em agosto) e a das operações abaixo de 1 milhão de euros de 2,13% (2,25% em agosto)”, acrescenta o BdP.

(Notícia atualizada às 11h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca dá quase mil milhões para as famílias comprarem casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião