Banca usa milhões do BCE para dar crédito, mas também para apostar na dívida pública

Maiores bancos portuguesas participaram na terceira série de operações de financiamento a baixo custo do BCE em junho, mas só um banco entrou na operação de setembro.

A banca portuguesa tem pouco interesse pelas operações de financiamento de baixo custo do Banco Central Europeu (BCE) e, mesmo os que participam, não usam o dinheiro apenas para conceder crédito à economia. Os inquéritos feitos pelo supervisor nacional à banca mostram que as instituições financeiras estão a usar a liquidez adicional vinda da Europa para comprar dívida pública.

O BCE tem levado a cabo operações de refinanciamento de prazo alargado com condições mais favoráveis para incentivar os bancos a financiarem-se e repassarem a liquidez para a economia. Estas operações são as targeted longer-term refinancing operations (TLTRO, na sigla em inglês ou ORPA em português).

No inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito de outubro, conhecido esta terça-feira, o Banco de Portugal revela que cinco bancos participaram na terceira série de operações em junho de 2020 e apenas um banco participou na operação de setembro.

“A principal razão subjacente à participação dos bancos na operação de junho foram as condições atrativas de rendibilidade das ORPA. Na operação de setembro e nas operações futuras os motivos para a participação são a redução das dificuldades de financiamento atuais ou evitar dificuldades de financiamento futuras e o reforço do cumprimento dos requisitos regulamentares ou prudenciais“, revela.

Nos últimos seis meses, os bancos que recorreram a estas operações fizeram-no principalmente para substituir o financiamento que tinham conseguido em séries anteriores de ORPA direcionadas II, bem como para reforçar a concessão de empréstimos às empresas. “Os bancos indicaram adicionalmente que utilizaram a liquidez proporcionada pelas ORPA III como alternativa a outras operações de cedência de liquidez, para aquisição de obrigações soberanas nacionais ou para detenção de liquidez junto do Eurosistema“, aponta o BdP.

A compra de dívida pública nacional tem sido uma estratégia dos bancos desde a última crise para tentar aproveitar os juros positivos (num ambiente de yields comprimidas) e fugir à taxa negativa que o BCE aplica aos depósitos. Após um ligeiro recuo no ano passado, os bancos voltaram a fazê-lo desde o arranque da pandemia e as perspetivas é que a tendência continue.

“Para os próximos seis meses, os bancos anteveem utilizar a liquidez sobretudo para concessão de empréstimos ao setor privado não financeiro e, em menor grau, para aquisição de obrigações soberanas nacionais e detenção de liquidez junto do Eurosistema”, acrescenta a análise do supervisor liderado por Mário Centeno.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca usa milhões do BCE para dar crédito, mas também para apostar na dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião