Dos cartões em plástico reciclado ao papel comercial verde, BBVA aposta na sustentabilidade em Portugal

“Compromisso 2025”, do BBVA, passa pela eficiência energética das instalações, a eliminação do uso de plástico, a práticas de gestão ecológicas e ao incentivo da mobilidade sustentável.

O BBVA reforçou o seu compromisso em mobilizar até 2025 um total de 100 mil milhões de euros em financiamento verde e social, infraestruturas sustentáveis e “agrobusiness”, empreendimentos sociais e inclusão financeira. Em Portugal, o banco está agora a começar a enviar aos seus clientes cartões produzidos a partir de materiais reciclados (86% em PVC reciclado). Esta alteração está a ser feita de forma gradual e abrange a totalidade dos cartões de débito do banco no país e “vai permitir a clientes particulares e empresas utilizarem um meio de pagamento mais ecológico”.

A instituição garante que estes novos cartões mantêm todas as suas funcionalidades, com destaque para a tecnologia contactless, o que permite aos clientes fazerem compras até 50 euros sem necessidade de introduzir o PIN, e a possibilidade de serem utilizados no MB Way. Além dos cartões, também o papel de carta e os envelopes utilizados para os fazer chegar aos seus clientes é reciclado, tornando todo este processo “mais amigo do ambiente”.

“Estamos também a trabalhar na implementação de cerca de 20 medidas alinhadas com a estratégia do grupo “Compromisso 2025”, que vão desde a eficiência energética das instalações, à eliminação do uso de plástico, a práticas de gestão ecológicas e ao incentivo da mobilidade sustentável”, refere o banco em comunicado, acrescentando: “Queremos ajudar os nossos clientes na sua transição para uma economia mais sustentável“.

Em 2019, o BBVA financiou a primeira operação de papel comercial verde com a Navigator e com o Grupo Pestana a primeira emissão mundial de obrigações verdes do setor hoteleiro. Já com a BA Glass desenvoveu uma linha de papel comercial sustentável.

Já este ano participou na emissão de obrigações verdes da EDP e desenvolveu ainda um processo de certificação sustentável vocacionado para os projetos das pequenas e médias empresas, no âmbito do qual já durante a pandemia de Covid-19 financiou sete projetos em diversos setores.

BBVA tem 100 mil milhões para financiamento verde até 2025

Deste envelope global, a instituição financeira dá conta que até junho de 2020 já tinha utilizado 40% destes 100 mil milhões. Ou seja, 40 mil milhões aplicados em operações de financiamento verde (62%), inclusão financeira (13%), infraestruturas sustentáveis e ‘agrobusiness’ (11%), entre outras iniciativas sustentáveis (14%). Por aplicar, nos próximos cinco anos, estão os restantes 60 mil milhões.

Além disso, o BBVA fixou o objetivo de usar em 2025 70% de energias renováveis e reduzir em 68% as suas emissões diretas de CO2, em relação aos dados de 2015. “O BBVA comprometeu-se ainda a levar todos os seus grupos de interesse a estimular a contribuição do setor financeiro no desenvolvimento sustentável, num compromisso com a gestão dos recursos ambientais e sociais e com a minimização dos potenciais impactos negativos diretos ou indiretos”, disse o banco em comunicado.

Em linha com o Plano de Ação da Comissão Europeia sobre finanças sustentáveis, o BBVA assumiu o “Compromisso 2025”, a estratégia de desenvolvimento sustentável do banco para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e do Acordo de Paris sobre Alterações Climáticas. “Trata-se de um compromisso a oito anos (2018-2025) baseado em tês pilares; financiar, gerir e incluir”, refere o mesmo comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dos cartões em plástico reciclado ao papel comercial verde, BBVA aposta na sustentabilidade em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião