Estado já poupou 726,2 milhões de euros com compra centralizada de medicamentos

O Estado conseguiu poupar 726,2 milhões de euros nos últimos quatro anos com a centralização da compra de medicamentos.

O Estado tem poupado dinheiro com a saúde graças à aquisição centralizada de medicamentos, uma das medidas da revisão de despesa pública implementadas pelo Governo. Ao todo, houve uma poupança de 726,2 milhões de euros com a compra de remédios, à qual se juntam poupanças noutras áreas.

No que respeita às compras centralizadas da saúde na componente dos medicamentos, em termos globais, registou-se uma poupança de 726,2 milhões de euros entre 2016 e 2019“, revela o ministro das Finanças, João Leão, na nota explicativa do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021) que antecipa a audição desta quinta-feira de tarde na Assembleia da República, a última da fase de especialidade.

As maiores poupanças foram conseguidas nas “grandes áreas terapêuticas com maior impacto económico, nomeadamente as áreas de doenças crónicas, oncologia, imunoterapia, HIV e hepatite C crónica, que contribuem com maior expressão para este valor”, explica o Ministério das Finanças.

Mas esta não é a única área em que o Estado poupa ao centralizar as compras. Também na energia houve poupanças significativas entre 2017 e 2020 com os contratos na área da energia para mais de 1.200 entidades públicas, de todas as áreas de governação, “com ganhos muito significativos para o Estado”.

As reduções de custo obtidas foram superiores a 15% do valor da energia ativa, no caso da eletricidade, e 20% de redução, no caso do gás natural e dos combustíveis rodoviários“, revela a nota explicativa.

Para o próximo ano, Leão prevê que o Estado possa poupar entre um a três milhões de euros com a emissão de fatura eletrónica por parte dos organismos do Estado, “dependendo eminentemente da adesão dos fornecedores”.

O Ministério das Finanças refere ainda que este ano já foram registadas mais de oito mil adjudicações, “com um valor superior a 250 milhões de euros”, ao abrigo do regime excecional criado em março por causa da crise pandémica.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estado já poupou 726,2 milhões de euros com compra centralizada de medicamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião