Senado volta a negociar estímulos e anima Wall Street

As bolsas norte-americanas inverteram a tendência de queda e fecharam com ganhos, face à notícia de que Democratas e Republicanos aceitaram voltar a negociar estímulos económicos no Senado.

As bolsas norte-americanas fecharam em alta, reagindo positivamente à notícia de que Democratas e Republicanos terão reatado as negociações no Senado para um novo pacote de estímulos económicos amplamente aguardado por cidadãos, empresas e investidores em geral. Wall Street tinha arrancado o dia de negociações a perder valor com as perspetivas de novos confinamentos e dados negativos do mercado laboral.

Neste contexto, o S&P 500 avançou 0,39%, para 3.581,85 pontos, enquanto o industrial Dow Jones somou 0,16%, para 29.486,2 pontos. Estes dois índices voltam, assim, a aproximar-se dos recordes alcançados no início da semana. Já o tecnológico Nasdaq ganhou 0,86%, para 11.902,91 dólares.

Segundo a Reuters, o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, afirmou que o líder da maioria republicana, Mitch McConnell, aceitou reatar as negociações para desenhar um pacote de ajuda orçamental à economia. A informação levou as bolsas a subirem para terreno positivo.

Antes da abertura, o Departamento do Comércio norte-americano tinha revelado que o número de pedidos de subsídio de desemprego nos EUA, ajustado ao efeito da sazonalidade, atingiu os 742 mil na semana passada, uma subida face aos 711 mil registados na semana anterior. Este indicador continua significativamente acima da média do período pré-pandemia e há várias semanas que o número vinha a cair lentamente, pelo que a subida está a causar nervosismo nos mercados de capitais.

Já vimos isto acontecer, em que os investidores refugiam-se na segurança da tecnologia e do crescimento enquanto a economia mostra sinais de abrandamento”, disse à Reuters o estratega sénior de mercado da LPL Financial em Charlotte, Ryan Detrick. “Claramente os mercados estão a reagir a esse otimismo”, acrescentou.

Concretamente no setor da tecnologia, as ações da Amazon avançaram 0,45%, para 3.119,42 dólares, enquanto os títulos da Apple somaram 0,52%, para 118,64 dólares. A Microsoft avançou 0,60%, para 212,35 dólares cada título.

Na semana em que se sabe que a Tesla será adicionada ao S&P 500 a 21 de dezembro, a fabricante de automóveis elétricos continua a beneficiar da decisão. Os títulos ganharam 2,54%, para 499 dólares, apostando na subida das ações quando os fundos de investimento passivos que seguem o índice de referência forem forçados a adquirir ações da empresa para a incluírem nos seus portefólios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Senado volta a negociar estímulos e anima Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião