Confederações patronais exigem atuação “mais firme e assertiva” do Governo

  • Lusa
  • 20 Novembro 2020

As confederações patronais defendem que a atual conjuntura exige do Governo uma “atuação mais firme a assertiva” e pedem medidas de apoio à reestruturação financeira e capitalização das empresas.

As confederações patronais, que se reuniram esta sexta-feira com o primeiro-ministro, António Costa, defenderam que a atual conjuntura exige do Governo uma “atuação mais firme a assertiva”, pedindo mecanismos e medidas de apoio à reestruturação financeira e capitalização das empresas.

“Com o agravamento e arrastar da crise de saúde pública vivida no país, em simultâneo com as dificuldades sentidas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) em dar resposta ao número crescente de vítimas da pandemia da Covid-19, as confederações patronais consideram que a ameaça que paira sobre a economia e o emprego, que comprometem as próximas gerações, exige do Governo uma atuação mais firme a assertiva”, defenderam, em comunicado conjunto as confederações.

Para as confederações dos Agricultores de Portugal (CAP), do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Empresarial de Portugal (CIP) e do Turismo de Portugal (CTP) o executivo deve avançar com medidas de apoio económico às empresas e salvaguarda dos postos de trabalho.

Segundo o mesmo comunicado enviado após o encontro com António Costa, em cima da mesa da reunião, que foi solicitada pelas quatro confederações, estiveram a oposição à alteração da remuneração mínima mensal garantida em 2021, o Orçamento do Estado para 2021 e a “urgência de criar mecanismos e medidas de apoio à reestruturação financeira e capitalização das empresas”, redução das tributações autónomas e implementação de programas de pagamento do Estado às empresas, bem como aceleração de reembolsos.

De acordo com as confederações, foi também abordado o papel da Comissão Permanente de Concertação Social na “definição de dossiers como a moratória da caducidade dos contratos, o teletrabalho e o regime de lay-off simplificado e as suas especificidades”.

As confederações alertaram também António Costa para as “frequentes alterações” de calendário das reuniões de concertação social, assim como para os “prazos mínimos” dados aos parceiros para avaliar documentos. “Estes fatores têm dificultado o diálogo social e o contributo dos parceiros sociais para a implementação de uma dinâmica económica e social de resposta à crise e desenvolvimento para o país”, concluíram.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confederações patronais exigem atuação “mais firme e assertiva” do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião