Fed acaba com Libor em junho de 2023

Taxa de referência que bancos usam em contratos de empréstimos vai ser descontinuada e substituída até junho de 2023, anunciou esta segunda-feira a Reserva Federal americana.

A London Interbank Overnight Lending Rate, mais conhecida pela sua sigla Libor, já tem data de validade nos EUA. Esta taxa de referência usada em muitos contratos de empréstimos vai ser descontinuada e terá de ser substituída até junho de 2023, anunciou esta segunda-feira a Reserva Federal americana.

De acordo com o anúncio desta segunda-feira, os bancos deverão deixar de fazer contratos usando a Libor até final de 2021, data a partir da qual esta taxa deixará de ser publicada. O uso da Libor após essa data será considerado um risco de “segurança e solidez” que será levado em conta pelos reguladores.

“Este plano garante que a transição da Libor será ordenada e justa para todos – participantes do mercado, empresas e consumidores”, referiu o governador da Reserva Federal americana Randal Quarles, em comunicado.

A Libor é calculada a partir de uma média de bancos que participam em empréstimos diários entre si. Nesse sentido, é considerada uma taxa de referência para o financiamento de curto prazo que as instituições financeiras possam replicar nas suas operações.

Há algum tempo que a Fed tem vindo a pedir aos bancos para se preparem para a transição da Libor rumo à Secured Overnight Financing Rate, ou SOFR.

Também as taxas de juro de referência do mercado monetário do euro — as Euribor — estão a ser alvo de uma profunda reforma.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed acaba com Libor em junho de 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião