Bolsas europeias em alta. Galp sobe 2% e impulsiona Lisboa

  • Lusa
  • 1 Dezembro 2020

As bolsas europeias estão a valorizar, com os investidores otimistas quanto às vacinas contra a Covid-19. A bolsa de Lisboa também valoriza, impulsionada pela Galp.

A bolsa de Lisboa seguia esta terça-feira em terreno positivo, mantendo a tendência da abertura e a das principais congéneres europeias, com as ações da EDP e EDP Renováveis a pressionarem as negociações. Na segunda-feira, o índice de referência, o PSI20, encerrou em queda, a baixar 1,01%, para 4.604,72 pontos, tendo a Mota-Engil registado uma descida de 15,15%.

Pelas 9h17, o PSI20 seguia a avançar 0,07%, para 4.606,53 pontos, com oito ações em alta, seis em queda e três inalteradas. A Ibersol e a Altri eram as ações que mais subiam, com ganhos de 3,59% e 3,33%, para 5,20 euros e 4,66 euros, respetivamente.

A Galp Energia avançava também 1,99%, para 9,22 euros, e o BCP subia 1,43%, para 0,12 euros.

Do lado das perdas, a EDP Renováveis e a Mota-Engil eram as ações que mais perdiam, com descidas de 2,59% e 0,82%, para 17,30 euros e 1,44 euros, respetivamente.

A Jerónimo Martins e a EDP seguiam também em baixa de 0,66% e 0,29%, para 14,27 euros e 4,45 euros, respetivamente.

Os presidentes executivos da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e Manso Neto, ambos suspensos de funções, manifestaram-se indisponíveis na segunda-feira para voltar a integrar os órgãos sociais do grupo num novo mandato.

As bolsas europeias arrancaram o mês de dezembro em alta, animadas pelos avanços das vacinas contra a Covid-19 e a divulgação de dados económicos positivos na China.

Os investidores estão esperançosos nas vacinas contra a Covid-19, depois de a norte-americana Moderna ter anunciado na segunda-feira que vai avançar com os pedidos de autorização para a sua comercialização nos EUA e Europa.

A somar, a China divulgou esta terça-feira que a sua atividade industrial melhorou em novembro, atingindo a maior subida desde novembro de 2010, segundo o índice de compras PMI do setor industrial.

Na Ásia, os principais mercados também abriram o mês de dezembro em alta, com a bolsa de Tóquio a subir 1,34%, enquanto Xangai subiu 1,77% e Hong Kong 0,75%.

Os futuros sobre os principais índices de Wall Street também apontam para uma sessão de ganhos, o que também está a animar a Europa.

Os investidores aguardam pela publicação das previsões económicas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), mas também por novos dados sobre o setor industrial na Europa e nos EUA.

Também se espera que o presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell, seja ouvido no Congresso.

No mercado de matérias-primas, o preço do crude Brent, de referência na Europa, seguia em baixa com perdas de 0,38%, para os 47,71 dólares, à espera que a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os seus aliados (OPEP+) se reúnam na quinta-feira para decidir se mantêm a partir de janeiro os cortes à produção de petróleo devido ao agravamento da pandemia.

O euro estava a valorizar 0,34% para 1,1968 dólares, a beneficiar também da melhoria da confiança quanto à chegada ao mercado de vacinas contra o novo coronavírus.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas europeias em alta. Galp sobe 2% e impulsiona Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião