Éolico offshore flutuante pode valer 5 mil milhões em 2030 em Portugal e Espanha

Um estudo divulgado pela EIT InnoEnergy revela que a Península Ibérica poderia ter 3GW de potência eólica offshore flutuante instalada em 2030 e 22 GW em 2050.

Um novo estudo elaborado pela consultora independente Enzen e divulgado esta sexta-feira pela EIT InnoEnergy revela que a indústria eólica offshore flutuante — da qual é exemplo o parque já em funcionamento em Viana do Castelo Windfloat Atlantic — tem potencial de gerar na Península Ibérica um volume de negócios que poderá atingir os 5.000 milhões de euros em 2030, com mais de um terço das receitas a serem provenientes de exportações. Além disso, pode criar até 50.000 empregos altamente qualificados (60% diretos; 40% indiretos) em Portugal e Espanha.

O estudo estima, num cenário mais ambicioso, que a Península Ibérica poderia ter 3GW de potência eólica offshore flutuante instalada em 2030 e 22 GW em 2050.

Denominado “A Península Ibérica como polo de desenvolvimento tecnológico e liderança industrial na área da energia eólica offshore flutuante”, o estudo mostra que os dois países têm vantagens competitivas únicas para que a região se torne num hub global para a energia eólica offshore flutuante. Trata-se de um setor, dizem os especialistas, que registará um rápido crescimento nesta década e no qual “os primeiros países a posicionarem-se terão enormes vantagens competitivas e possibilidade de liderança do mercado”, refere a EIT InnoEnergy em comunicado.

Atualmente, as regiões mais relevantes para o eólico offshore são precisamente são a Europa, América do Norte e Ásia (China, Japão e Coreia).

De acordo com Mikel Lasa, CEO da EIT InnoEnergy Iberia, “os dados do estudo são muito reveladores e, por isso, já os transferimos para as instituições espanholas e portuguesas que partilham o nosso interesse no desenvolvimento deste promissor setor na Península. Numa época tão complicada como a atual, a aposta na energia eólica offshore flutuante é uma oportunidade única para dinamizar a economia e ajudar a tão necessária reconversão industrial de Espanha e Portugal no âmbito da transformação energética”.

De acordo com as principais conclusões do estudo, a Península Ibérica conta com vantagens competitivas, que não são facilmente replicáveis noutras áreas. A começar pela possibilidade de desenvolver um mercado interno em fases iniciais, especialmente em áreas insulares. “Nas ilhas é possível testar e desenvolver tecnologias e modelos de negócio para estabelecer rapidamente uma indústria ibérica competitiva no mercado externo. Além disso existe disponibilidade de infraestruturas portuárias, estaleiros e capacidade fabril essenciais para o rápido desenvolvimento do setor”, refere o documento, citado pela EIT InnoEnergy.

Outras vantagens passam pela localização geográfica privilegiada, que permite o acesso aos mercados europeus e da costa leste do continente americano, assim como a existência de sólidas capacidades industriais e talentos no setor eólico onshore, na construção naval e em sistemas elétricos que hoje são fundamentais para o desenvolvimento desta nova indústria. Por fim, a tecnologia própria e empreendedores com projetos já em andamento que são líderes internacionais são outra mais-valia para a indústria em Portugal e Espanha.

Na Península Ibérica, a EIT InnoEnergy já investiu mais de 70 milhões de euros na construção de um ecossistema de inovação e na aceleração de empresas e projetos inovadores ligados à transição energética. Atualmente, é um dos ecossistemas mais importantes do setor e possui mais de 50 startups e parceiros corporativos, entre eles, Acciona, EDP, Enagás, ENEL, ESADE, Galp Energia, Iberdrola, Laboratório Internacional de Nanotecnologia-INL, Instituto Superior Técnico, IREC, Naturgy, Portgás, Rede Elétrica de Espanha, Repsol, Tecnalia e a Universidade Politécnica da Catalunha.

A InnoEnergy foi criada em 2010 e é apoiada pelo European Institute of Innovation and Technology (EIT).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Éolico offshore flutuante pode valer 5 mil milhões em 2030 em Portugal e Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião