“Legal Augmented Intelligence” é o mais recente projeto da Antas da Cunha ECIJA

O novo projeto liderado por Antas da Cunha ECIJA, com recurso à ciência das emoções, pretende estudar o impacto das alterações sociais na evolução da justiça.

A sociedade de advogados Antas da Cunha ECIJA vai lançar um novo projeto, o “Legal Augmented Intelligence”. O objetivo é, com recurso à ciência das emoções, estudar o impacto das alterações sociais na evolução da justiça, através da análise de milhões de notícias geradas pelos meios de comunicação social e a sua correlação com as sentenças judiciais produzidas em determinados casos concretos.

“O Direito não pode continuar a olhar apenas para o passado. Um advogado que continue a ter em conta, nas suas previsões, apenas sentenças passadas, jamais será um bom advogado, uma vez que nunca vai ter em conta fatores absolutamente decisivos como a evolução do pensamento humano, a inovação ou as emoções”, referiu Nuno da Silva Vieira, responsável pelo lançamento desta iniciativa e sócio da Antas da Cunha ECIJA.

O projeto lançado pela firma de advogados conta com a parceria da Lusa, da IBM Portugal e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.Para a nossa sociedade, é uma honra tenham aceite o desafio de se juntarem a nós e de, connosco, porem de pé um projeto que certamente irá revolucionar a indústria legal portuguesa”, acrescentou Nuno da Silva Vieira.

Em setembro de 2021 serão apresentados os primeiros resultados deste projeto que terá como “tema de estudo” o ambiente, nomeadamente as notícias veiculadas pela Lusa nos últimos três anos, sobre as alterações climáticas e a poluição ambiental, e as sentenças judiciais entretanto proferidas pelos tribunais portugueses, em casos concretos.

Segundo explicou a firma em comunicado, a IBM irá fornecer a tecnologia para o projeto.Nesta ‘prova de conceito’ será utilizado o IBM Watson, um processador analítico de dados, desenvolvido pela IBM, que tem capacidade para analisar 800 milhões de páginas de dados, por segundo”, notam.

O Watson utiliza uma tecnologia chamada Processamento de Linguagem Natural, que analisará a linguagem contida nas notícias recolhidas e, com recuso a diversas técnicas de Machine Learning, um ramo da Inteligência Artificial, serão integrados todos os dados encontrados e selecionados. “Trata-se de uma tecnologia conhecida, já utilizada por alguns profissionais do direito para prever resultados de sentenças judiciais, contudo, sem a variável da consciência social sobre o tema em análise”, acrescentam.

Através do estudo da ciência das emoções, propomos medir o nível de consciência social que existe num dado momento, sobre um determinado tema. Ao analisar um grande volume de notícias, o Watson conseguirá, neste caso concreto, calcular qual a evolução da consciência social sobre as alterações climáticas e a poluição ambiental”, explicou Nuno da Silva Vieira.

O sócio da Antas da Cunha ECIJA acredita que a simples previsão de sentenças judiciais que ignoram a evolução e a consciencialização social se traduzem num mau uso da tecnologia e num movimento regressivo da justiça,

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa irá acompanhará todo o processo de validação dos resultados do projeto, garantindo a aplicação do método científico na observação sistemática e controlada dos mesmos, e da sua disseminação no seio da comunidade académica e científica.

Não temos a mínima dúvida de que os nossos parceiros conferem uma credibilidade inabalável a este projeto. Estamos muito gratos a todos pelo seu envolvimento e entusiasmo”, refere Fernando Antas da Cunha, managing partner da Antas da Cunha ECIJA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Legal Augmented Intelligence” é o mais recente projeto da Antas da Cunha ECIJA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião