Quer garantir um recrutamento inclusivo? Este guia está online e é gratuito

A Associação Portuguesa para a Diversidade e Inclusão lançou o "Guia para um Recrutamento Inclusivo", online e de acesso gratuito. A plataforma permite ainda avaliar a diversidade da organização.

A Associação Portuguesa para a Diversidade e Inclusão (APPDI) quer ajudar a promover o recrutamento inclusivo e lançou, esta segunda-feira, o “Guia para um Recrutamento Inclusivo”. Na plataforma é possível encontrar todos os projetos da Carta Portuguesa para a Diversidade, recursos úteis para ajudar as empresas a implementar processos de recrutamento mais inclusivos, promoverem o bem-estar dos trabalhadores e ainda uma ferramenta para avaliar a diversidade da organização. O acesso é gratuito.

O guia explica, passo a passo, como garantir um recrutamento inclusivo, desde o onboarding de um novo candidato até à sua saída, com o apoio de casos reais.

“Este ‘Guia para um Recrutamento Inclusivo’, que acompanha todas as fases do processo, é o resultado de um enorme espírito de equipa, e de muita dedicação e empenho dos nossos associados e entidades signatárias do grupo de trabalho da empregabilidade da APPDI. Adaptado para todos os tipos de organizações, o nosso guia promete ser uma fonte de inspiração, mas também de apoio e o desenvolvimento de ambientes laborais mais diversos, inclusivos e confortáveis, onde o respeito e a valorização individual são prioridades”, sublinha Paula Carneiro, presidente da direção da APPDI, citada em comunicado.

Em cada passo do recrutamento, a APPDI disponibiliza documentos em PDF com a descrição de todos os passos e casos reais de empresas que já implementaram estes processos. Na “fase 0”, do recrutamento, lê-se, “sugere-se que o processo de contratação seja colaborativo envolvendo, além da equipa de recrutamento, outros departamentos, membros de outras equipas e, se possível, algumas das chefias de equipa, de forma a abranger diferentes perspetivas”.

A APPDI conta com associados do tecido empresarial português, bem como entidades de outros setores, com os quais desenvolve um trabalho contínuo de formação, informação e promoção da diversidade e inclusão. A Carta Portuguesa para a Diversidade, iniciativa da Comissão Europeia, é um dos instrumentos voluntários criados com o objetivo de encorajar os empregadores a implementar e desenvolver políticas e práticas internas de promoção da diversidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer garantir um recrutamento inclusivo? Este guia está online e é gratuito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião