Como recrutar em tempos de pandemia

  • Pessoas
  • 21 Dezembro 2020

Muitas foram as adaptações que os processos de recrutamento e de onboarding sofreram nos últimos meses. Neste debate ficamos a conhecer alguns desafios e as estratégias adoptadas.

Quais foram os desafios de recrutar durante os últimos meses? Houve retração na procura de candidatos? Que novas ferramentas se introduziram neste processo? Como foi e tem sido a adaptação do onboarding a esta realidade?

Estas foram algumas das questões abordadas na webtalk “Recrutar em tempos de pandemia”, organizada pela revista Pessoas, em parceria com a Multipessoal. O debate contou com a participação de Ricardo Carneiro, diretor de recrutamento e seleção especializada da Multipessoal, Jorge Sousa, HR manager da Voltalia para os mercados de Portugal, Espanha, Itália, Japão e Jordânia, Hugo Raposo, associate director da Hipoges Iberia e Carla Silva, corporate human resources diretor do Grupo Primor.

Os constrangimentos impostos pela pandemia às empresas de gestão de pessoas obrigaram a uma rápida adaptação. Foi necessário calibrar os processos de recrutamento com uma “robustez tecnológica”, lidar com o medo dos candidatos em mudar, introduzir novas ferramentas para mitigar a ausência física e contornar a falta do fator “empatia” nas entrevistas. Depois da contratação, foi ainda preciso encontrar formas alternativas de assegurar que os processos de onboarding conseguiam garantir a passagem da cultura e valores da organização, um desafio considerado “crítico” por muitos.

Assista à conversa aqui:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como recrutar em tempos de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião