Subconcessionária do Baixo Alentejo vendida a fundo francês

A SPER foi vendida pelos seus acionistas a um fundo detido pelos franceses da Vauban Infrastructure Partners. A empresa detém a subconcessão rodoviária do Baixo Alentejo até 2039.

A Sociedade Portuguesa para a Construção e Exploração Rodoviária (SPER) foi vendida a uma entidade detida por um fundo de investimento dos franceses da Vauban Infrastructure Partners. O montante envolvido na transação não foi revelado.

A SPER, detentora da subconcessão rodoviária do Baixo Alentejo, era controlada por várias empresas, das quais se destacam os bancos portugueses Novo Banco e BCP, as portuguesas Tecnovia e Conduril, e as espanholas Iridium Concesiones e Desarrollo de Concesiones. Os vendedores foram assessorados pelo banco BBVA e pela sociedade de advogados PLMJ.

A subconcessão detida pela SPER abrange um total de 113,4 quilómetros de autoestrada que liga Évora, Beja e Castro Verde, sendo válida até 2039. A operação e manutenção da mesma é da responsabilidade da Planestrada.

Segundo o comunicado, a compradora, que gere cerca de 4.400 milhões de euros em ativos em mais de meia centena de operações, é “um investidor de longo prazo”. “A transação está sujeita a condições precedentes e a sua conclusão está prevista para o primeiro semestre de 2021”, lê-se na mesma nota.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Subconcessionária do Baixo Alentejo vendida a fundo francês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião