Presidente de Montalegre prefere volfrâmio a lítio. Lusorecursos garante que projeto avança

O autarca de Montalegre garante que a qualidade do lítio que virá a ser extraído na Mina do Romano não viabilizará o projeto. Lusorecursos diz que tem estudos que provam o contrário.

O presidente da Câmara Municipal de Montalegre, Orlando Alves, diz que o projeto de exploração de lítio na região não deverá avançar e quer, em alternativa, apostar no volfrâmio. O projeto em questão — que prevê um investimento de 500 milhões de euros para a exploração de uma mina, bem como a construção de uma refinaria — é da Lusorecursos, que garante querer avançar.

As informações que me chegam é que o nosso lítio não vai avançar“, disse o autarca na Assembleia Municipal esta segunda-feira, depois de ter expressado esta mesma opinião numa reunião da Câmara Municipal no dia 30 de novembro, na qual ficou assente que seria preferível para a região dar parecer positivo à reativação da exploração de volfrâmio nas minas da Borralha (desativadas em 1986), tendo em conta a cotação em alta deste minério.

Em declarações ao ECO/Capital Verde, Orlando Alves explicou que esta afirmação se prende com informações que lhe foram avançadas por fontes do setor mineiro, conhecedoras do processo, que garantem que a qualidade do lítio que virá a ser extraído na Mina do Romano não viabilizará o projeto da empresa portuguesa de prospeção e exploração mineira.

Diz o autarca, que o que está debaixo da terra não é espodumena — um mineral que é a principal fonte do metal lítio –, mas sim petalite, que é um mineral a partir do qual também se pode obter lítio, mas menos rentável. “A petalite não é atrativa para as empresas que exploram o lítio. Não será fácil rentabilizar a exploração“, disse Orlando Alves.

Ao ECO/Capital Verde, fonte oficial da Lusorecursos garante que os estudos já realizados no terreno à petalite de Montalegre pelo seu parceiro tecnológico Outotec, a mesma empresa finlandesa responsável pelo projeto de lítio de Keliber, na Finlândia, revelam a viabilidade em permitir a extração de lítio de qualidade. Os relatórios foram já validados junto de parceiros financeiros internacionais, que os aceitaram para avançarem com investimento.

“Estamos disponíveis para falar com o presidente da Câmara Municipal de Montalegre e esclarecer todas as dúvidas que possam surgir sobre a Mina do Romano”, disse fonte da Lusorecursos. A empresa tem planos para aproveitar umas minas antigas que existiam no local, cortar 40 metros do topo (dos 960 aos 920 metros de altitude, e a partir daí desenvolver a mina de lítio em galeria, com a refinaria a ser construída nas imediações.

Por enquanto, a Câmara Municipal de Montalegre aguarda a avaliação do Estudo de Impacto Ambiental já entregue pela Lusorecursos à Agência Portuguesa para o Ambiente, que muito recentemente nomeou uma comissão de avaliação para o projeto, depois de vários meses a pedir esclarecimentos adicionais à empresa mineira.

Certo é que Orlando Alves não hesita em colocar-se ao lado da população e da associação Montalegre com Vida, que rejeitam a exploração de lítio na região, por oposição à Lusorecursos e ao Governo, que querem ver avançar a indústria do lítio no norte do país. “Tenho de estar solidário com a população, que está mais favorável ao volfrâmio. Há uma empresa luso-canadiana em prospeção, que pediu licença de exploração à DGEG [Direção Geral de Energia e Geologia], a quem já enviámos parecer o nosso parecer positivo com voto de qualidade do presidente“, disse o autarca.

O presidente da Câmara de Montalegre não é o primeiro autarca a questionar a exploração de lítio, que é uma das grandes apostas da política energética do atual Governo. Ainda esta segunda-feira, a homóloga de Matosinhos mostrou-se também reticente quanto à reconversão da refinaria da Galp.

“Não permitiremos que seja instalada nos terrenos da Petrogal qualquer solução que possa ser poluente. Do que conhecemos do lítio, é que pode de facto ter um impacto poluente. E isso não vamos permitir. E, portanto, a Câmara de Matosinhos não emitirá as licenças necessárias para que uma solução dessa natureza possa avançar”, afirmou, ao Jornal de Notícias, a presidente da Autarquia, Luísa Salgueiro.

O Governo tem noção do potencial do lítio português e recentemente o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes, garantiu que “Portugal vai ter uma refinaria” e que faz sentido que a mesma esteja localizada a norte. Já há investidores norte-americanos interessados e também europeus. A sueca Northvolt quer rivalizar com a norte-americana Tesla e tem planos para construir as maiores fábricas de baterias de lítio da Europa, para automóveis elétricos e armazenamento de energia, que deverão atingir plena capacidade em 2023. Está neste momento ativamente à procura de fornecedores de níquel, cobalto e lítio.

Em Portugal chegou à fala com a Lusorecursos, para comprar o lítio que a empresa vai extrair e refinar na mina de Montalegre, no norte do país, cujo projeto está neste momento em fase de aprovação na Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e à espera de financiamento internacional na ordem dos 500 milhões de euros para a construção de uma refinaria de lítio mesmo ao pé da mina. “A Europa pode, sem dúvida, desempenhar um papel muito mais importante no abastecimento das matérias-primas de que a indústria de baterias elétricas necessita. Cadeias de valor curtas, fontes de energia renovável ​​e exploração de depósitos domésticos são do nosso interesse. Portugal preenche muitas destes requisitos”, disse fonte oficial da empresa sueca.

A Galp chegou igualmente a sondar a Lusorecursos para obter na mina de Montalegre a matéria-prima necessária para refinar na unidade industrial de Matosinhos, mas a empresa portuguesa de prospeção e exploração mineira no norte e centro de Portugal acabou por recusar o negócio por considerar que não se trata de um negócio rentável extrair o lítio da mina para depois o transportar para ser refinado a mais de 150 quilómetros de distância.

Também o autarca de Montalegre, Orlando Alves, é desfavorável a este cenário, caso o lítio avance contra a sua vontade e da população. “Se o lítio for aqui extraído, privando as pessoas das suas terras, depois não pode ir para a beira-mar, beneficiar os do litoral”, rematou.

(Notícia atualizada com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente de Montalegre prefere volfrâmio a lítio. Lusorecursos garante que projeto avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião