Polícia Judiciária congela 340 milhões por suspeitas de crime

  • ECO
  • 13 Janeiro 2021

Unidade de Informação Financeira da PJ travou, o ano passado, 340 milhões de euros em operações bancárias suspeitas, num total de 297 transferências.

A Unidade de Informação Financeira (UIF) da Polícia Judiciária (PJ) travou, o ano passado, 340 milhões de euros em operações bancárias suspeitas com origens fraudulentas. Este valor é o mais elevado de sempre e quase cinco vezes mais do que em 2019,avança o Correio da Manhã (acesso pago).

Nos últimos seis anos foram congelados mais de 670 milhões de euros provenientes do branqueamento de capitais do crime e de financiamento do terrorismo. O ano passado, a Unidade de Informação Financeira recebeu 9.140 comunicações de movimentações suspeitas de dinheiro oriundas de instituições financeiras e de pagamentos.

Do total das transferências, 297 deram origem ao respetivo congelamento de contas — uma ou mais por cada averiguação, dependendo do número com que trabalha a pessoa ou empresa suspeita. Em causa estão crimes de ‘colarinho branco’, burlas informáticas, tráfico de droga e financiamento do terrorismo, que culminam em branqueamento de capitais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Polícia Judiciária congela 340 milhões por suspeitas de crime

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião