“Renovados confinamentos” levam FMI a rever em baixa retoma da Zona Euro em 2021

O Fundo Monetário Internacional reviu em baixa o crescimento da economia da Zona Euro este ano. Contudo, o crescimento mundial foi revisto em alta principalmente por causa da melhoria nos EUA.

É uma atualização de previsões agridoce. Entre o arranque da vacinação e o agravamento da pandemia em vários países, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em alta a previsão de crescimento mundial para 5,5% em 2021, principalmente por ter melhorado a previsão para os EUA e para as economias emergentes. Já a da Zona Euro foi revista em baixa para 4,2% por causa dos “renovados confinamentos” no início deste ano. Para Portugal não há previsões atualizadas, sendo que a última (de outubro) apontava para um crescimento de 6,5%.

O FMI divulgou esta terça-feira a atualização de janeiro do World Economic Update — cuja data de fecho foi a 19 de janeiro –, tal como habitualmente, na mesma semana do Fórum Económico Mundial de Davos que este ano se realiza à distância devido à pandemia. Exatamente por causa da Covid-19, o principal ingrediente das previsões continua a ser a imprevisibilidade: “Muito depende agora do resultado da corrida entre um vírus em mutação e as vacinas para o fim desta pandemia e da capacidade das políticas para darem ajuda efetiva até que tal aconteça“, resume Gita Gopinath, economista-chefe do FMI, notando a “enorme incerteza”.

A previsão de crescimento da Zona Euro em 2021 passou de 5,2% em outubro para 4,2% em janeiro, menos um ponto percentual. O que explica esta revisão em baixa? O Fundo avança que “reflete um abrandamento da atividade económica na reta final de 2020, o qual se antecipa que continue no início de 2021 dado o aumento das infeções e os renovados confinamentos“. Esta é a mesma situação que se verifica em Portugal com os economistas a antecipar uma contração trimestral do PIB tanto no quarto trimestre de 2020 como no primeiro trimestre de 2021.

Porém, o FMI vê a Zona Euro a crescer 3,6% em 2022, mais cinco décimas do que em outubro. Tal não será suficiente para concluir a recuperação económica após o forte choque da pandemia, com o PIB de 2022 ainda abaixo do nível de 2019. O mesmo acontecerá no Reino Unido, mas noutras economias a retoma será muito mais rápida: na China aconteceu já no quarto trimestre de 2020, “à frente de todas as grandes economias”, nota o Fundo, e nos EUA deverá acontecer em 2021. A Zona Euro não só terá tido uma recessão mais forte em 2020 como terá uma recuperação mais fraca em 2021, em comparação com os EUA.

Dentro da Zona Euro (e entre os países para os quais o FMI atualiza as previsões), há países mais e menos impactados pela revisão em baixa. As duas maiores economias da Zona Euro são das menos afetadas: o crescimento da Alemanha baixa sete décimas para 3,5% e o de França baixa cinco décimas para 5,5%. Já para Espanha e Itália o impacto é maior com uma redução de 1,3 pontos percentuais, para 5,9%, e de 2,2 pontos percentuais, para 3%, respetivamente. No caso de Itália isto quer dizer que irá crescer menos do que a Alemanha em 2021, apesar de ter tido quase o dobro da contração em 2020.

Essa recuperação mais rápida nos EUA reflete o estímulo orçamental adicional que foi injetado no final de 2020, tendo a previsão do FMI melhorado em dois pontos percentuais, passando de 3,1% em outubro para 5,1% agora em janeiro. Mas mesmo aí os efeitos positivos “vão ser parcialmente neutralizados” por perspetivas “piores no muito curto prazo” devido às restrições económicas para controlar a propagação do vírus.

Dada a fragilidade da recuperação, a economista-chefe do FMI argumenta que os apoios não devem ser retirados demasiado cedo, um apelo que tem sido feito por vários responsáveis, inclusive na Europa. “Uma retirada prematura dos apoios pode piorar” a recuperação económica, alerta Gita Gopinath, notando ainda o risco de uma deterioração das condições financeiras “amplificar a recessão numa altura em que a dívida pública e empresarial está em níveis recorde em todo o mundo”.

Em particular para os países mais endividados e com pouca folga orçamental, Gopinath recomenda que a despesa pública deve dar “prioridade à saúde e às transferências [sociais] para os mais pobres”. Quanto ao futuro, a economista reconhece que o ambiente de taxas de juro muito baixas, em conjunto com a retoma de 2021, “irá estabilizar os níveis de dívida em muitos países”, mas alerta para a necessidade de manter uma política orçamental prudente a médio prazo para assegurar a sustentabilidade da dívida.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Renovados confinamentos” levam FMI a rever em baixa retoma da Zona Euro em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião