Confinamento penaliza confiança das empresas em janeiro

O indicador de clima económico caiu em janeiro com as empresas dos setores da indústria transformadora e do comércio menos otimistas. Já a confiança dos consumidores recuperou, mas menos do que antes.

O indicador que mede as expectativas e confiança das empresas voltou a cair em janeiro, mês em que o país voltou ao confinamento generalizado, enquanto o sentimento dos consumidores recuperou, ainda que de forma menos expressiva do que em meses anteriores, segundo revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O indicador de clima económico, que resulta de inquéritos às empresas sobre a evolução do negócio e perspetivas futuras, “diminuiu em janeiro, contrariando o aumento observado em dezembro e interrompendo o perfil de recuperação observado entre maio e outubro”, adianta o INE esta quinta-feira.

A Indústria transformadora e o Comércio, este último um dos mais afetados pelas restrições de funcionamento das lojas de bens e serviços não essenciais implementadas pelo Governo para travar a disseminação do vírus, foram os setores que registaram quebras na confiança. Por outro lado, este indicador aumentou nos setores da Construção e Obras Públicas e dos Serviços.

Já o indicador de confiança dos consumidores “aumentou de forma menos pronunciada que no mês anterior, contrariando a diminuição observada em novembro”, acrescenta o gabinete de estatísticas.

Esta subida resultou do contributo positivo das “expectativas relativas à evolução futura da situação económica do país e da realização de compras importantes”, contextualiza o INE.

Adianta ainda que “as perspetivas relativas à evolução da situação financeira do agregado familiar apresentaram um contributo nulo para a evolução do indicador, enquanto as opiniões relativas à evolução passada da situação financeira do agregado familiar registaram um contributo negativo” para a confiança das famílias.

Sentimento económico e expectativas de emprego caem na Zona Euro

O indicador do sentimento económico e o indicador de expectativas de emprego recuaram, em janeiro, na Zona Euro e na União Europeia (UE), face a dezembro, divulgou esta quinta-feira a Comissão Europeia.

Segundo dados da Direção-geral dos Assuntos económicos e Financeiros da Comissão Europeia, de dezembro para janeiro o sentimento económico caiu 0,9 pontos para os 91,5 na Zona Euro e 0,6 pontos para os 91,2 na na União Europeia (UE).

O indicador de expectativas de emprego também diminuiu, mas de forma mais acentuada: 1,6 pontos para 88,8 na zona euro e 1,3 pontos para 90,0 na UE.

Entre as maiores economias da Zona Euro, o sentimento económico caiu em França (-2,6 pontos) e na Alemanha (-2,3), tendo melhorado em Espanha (2,4), Holanda (0,6) e Itália (0,4).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Confinamento penaliza confiança das empresas em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião